Grupo libanês xiita pede criação de aliança cristão-muçulmana

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de março de 2003 as 16:21, por: cdb

O grupo libanês xiita Hizbolá pediu nesta quinta-feira, a criação de uma aliança cristão-muçulmana para enfrentar os planos bélicos dos EUA e do Reino Unido, e avisou que os povos árabes “não receberão com flores” as tropas desses dois países ocidentais.

“É preciso estabelecer uma relação de solidariedade islâmico-cristã neste momento difícil”, disse o líder de Hizbolá, Hasan Nasralá, diante das dezenas de milhares de membros de sua comunidade que se reuniram em Beirute para celebrar a festa muçulmana xiita “Achura”.

O líder do Hizbolá (Partido de Deus), agradeceu ao “Vaticano e às igrejas do mundo pela sua posição histórica”, a de se opor a uma possível guerra contra o Iraque.

“Os muçulmanos devem analisar e compreender bem esta posição para dizer a George W. Bush que sua guerra não é legítima e que não está baseada na Bíblia”, acrescentou.

Hasan Nasralá pediu também que os religiosos islâmicos não rotulem a campanha militar americana e britânica como “um nova cruzada”, já que “isso poderia ofender os cristãos que se opõem à guerra”.

No entanto, Nasrala avisou que os povos árabes não receberão os exércitos dos EUA e do Reino Unido “com flores, mas sim com rifles, sangue, armas e operações de martírio (suicidas)”.

Em meio aos gritos de “morte aos EUA” e “morte a Israel” dos presentes, Nasrala lembrou que a resistência libanesa, liderada pelo Partido de Deus, “conseguiu acabar com a ocupação israelense” do sul do Líbano em maio de 2000, depois de 22 anos.

“Acontecerá com os americanos o mesmo que aconteceu com Israel”, acrescentou o líder do Hizbolá, que pediu aos países árabes que se reconciliem entre eles, e que “juntem suas mãos às de seus povos, já que todos serão alvo dos invasores”.