Grupo do Rio vai defender posição firme na reunião do G 8

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 24 de maio de 2003 as 14:27, por: cdb

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, anunciou este sábado em Cuzco que o Grupo do Rio levará uma posição firme à reunião do G-8, que incluirá o repúdio aos subsídios agrícolas e a defesa de melhores condições para as exportações regionais.

– Defenderemos com firmeza e convicção melhores direitos para nossas exportações, para uma competição mais justa – disse Lula durante o encerramento da XVII Cúpula do Grupo do Rio.

– Não podemos aceitar os subsídios agrícolas milionários, medidas comerciais arbitrárias, o protecionismo (…) que nos rouba mercados e nos impede de colher os frutos de nosso trabalho – disse o presidente brasileiro, que ao lado de seu colega mexicano, Vicente Fox, representará o Grupo do Rio na reunião do G8, que acontecerá na França.

Lula disse que que espera que a reunião do G8, convocada pelo presidente da França, Jacques Chirac, “seja um sinal de que nossa voz será ouvida e que os países ricos estarão dispostos a mudar seu comportamento, de modo que o livre comércio se torne uma via de mão dupla”.

– É, portanto, com confiaça, e acredito falar em nome do presidente Fox, que levaremos a Evian uma mensagem forte por maior justiça e equilíbrio, que emanou desta cúpula de Cuzco – disse o presidente brasileiro, que foi aplaudido pelos participantes.

O G8 se reunirá em Evian, leste da França, de 1º a 3 de junho.

Em seu discurso de encerramento, o presidente Toledo disse que o Grupo do Rio “expressava todo seu apoio” tanto ao México como ao Brasil e que o coletivo regional “se sente bem representado”.

A fortaleza de Sacsayhuamán, em Cuzco, foi o cenário do encerramento do encontro de dois dias, que reuniu Chefes de Estado e representantes dos 19 membros do Grupo do Rio.

Os presidentes assinaram o Consenso de Cuzco, que defende o fortalecimento da governabilidade democrática e mecanismos financeiros inovadores para o melhor aproveitamento de seus recursos econômicos, entre outros pontos.

O Brasil será a sede do próximo encontro, em 2004.