Gripe e resfriado são responsáveis por afastamento de atividades habituais

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 2 de junho de 2015 as 12:00, por: cdb
Atualizado em 15/04/16 06:12
Os jovens, até os 17 anos, são os que mais disseram ter se afastado por causa de resfriado ou gripe
Os jovens, até os 17 anos, são os que mais disseram ter se afastado por causa de resfriado ou gripe

 

O resfriado e a gripe são os principais problemas enfrentados pelas pessoas que têm que se afastar das atividades habituais por motivos saúde, divulgou nesta terça-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na Pesquisa Nacional de Saúde, com base em dados de 2013. Juntas, as doenças respondem por 17,8% dos afastamentos.

Os jovens, até os 17 anos, são os que mais disseram ter se afastado por causa de resfriado ou gripe. Entre elas, o percentual sobe para 39,8%, enquanto entre quem tem 60 anos ou mais, cai para 6,9%.

A segunda causa mais frequente identificada foram as dores nas costas, problemas no pescoço ou na nuca, com 10,5% dos relatos. A faixa etária mais afetada são pessoas entre os 40 e 59 anos, em que o percentual de afastamentos é 16,5%.

Outro motivo apontado na pesquisa geral foram as dores nas mãos ou nos braços, artrite ou reumatismo e o Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho (Dort), com 5,5%, empatando com a lesão provocada por acidente, agressão ou violência.

A pesquisa mostra que problemas no coração ou pressão alta foram responsáveis por 5% dos afastamentos; dor de cabeça ou enxaqueca, por 4,7%, e agrupados, diabetes, acidente vascular cerebral (AVC) ou câncer afastaram 4,1% dos que deixaram as atividades habituais, mesmo percentual dos problemas de saúde mental.

Os problemas respiratórios como asma, bronquite e pneumonia também são responsáveis por 4,1% dos afastamentos, segundo a pesquisa.

Problemas decorrentes da menstruação ou gravidez e partos responderam por 1,6% dos afastamentos e os casos odontológicos, por 1,2%.

Segundo a pesquisa, 7% dos brasileiros foram afastados de suas atividades habituais nas duas semanas anteriores ao questionário, percentual que sobe para 8% no caso das mulheres e é de 5,9% entre os homens. Em números absolutos, o total de afastados soma 14,1 milhões de pessoas.

Entre as pessoas com mais de 60 anos, 11,5% tiveram que se afastar, percentual maior que as demais faixas etárias. Já entre quem não tem instrução ou não concluiu o nível fundamental, o percentual é 8,3%, superando os demais níveis de escolaridade, que praticamente empatam em torno de 6%.

Os afastamentos são mais comuns no Sul do país, com 8,4%, e no Nordeste, com 7,8%. O Norte tem o menor percentual, com 5,8%.