Greve contra austeridade paralisa Grécia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 6 de novembro de 2013 as 12:29, por: cdb
Manifestantes do sindicato PAME, filiado ao partido comunista grego, durante greve geral de 24 horas em Atenas, 6 de novembro de 2013
Manifestantes do sindicato PAME, filiado ao partido comunista grego, durante greve geral de 24 horas em Atenas, 6 de novembro de 2013

Escolas ficaram fechadas e voos foram cancelados na Grécia nesta quarta-feira por uma greve geral em protesto contra a política de austeridade imposta por credores estrangeiros, cujos inspetores encontram-se em Atenas para avaliar a performance econômica do país.

A paralisação de 24 horas realizada pelos maiores sindicatos dos setores público e privado da Grécia congela a maior parte do país atingido pela crise, um dia após as autoridades da “troika”composta por Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional retomarem uma avaliação do resgate econômico.

– Trabalhadores, pensionistas e desempregados passam por um pesadelo sem fim – disseram trabalhadores portuários em comunicado. “O governo e a troika estão destruindo este país.”

Os sindicatos temem que a Grécia seja obrigada a impor ainda mais cortes em salários e pensões para atingir suas metas de resgate nos próximos anos, disseram membros dos sindicatos. A Grécia e seus credores estão em desacordo sobre a dimensão do orçamento projetado para o próximo ano, o que tem causado especulações sobre uma nova rodada dos impopulares cortes.

Os sindicatos também protestam contra o corte de postos de trabalho planejado para o setor público e as privatizações.

Professores, médicos, servidores municipais, maquinistas e motoristas de ônibus estão entre os setores que aderiram à greve. Controladores de tráfego aéreo disseram que cruzariam os braços entre 10h e 13h (8h e 11h, no horário de Brasília), provocando o cancelamento de voos.

Um passeata de milhares de pessoas deve seguir para a praça Syntagma, em frente ao Congresso, onde a polícia e manifestantes protagonizaram confrontos anteriores.

– Unidos podemos pará-los, podemos derrubá-los – disse o sindicato do setor público Adedy em comunicado antes da greve.

A Grécia se encontra no sexto ano de recessão, e sucessivas rodadas de medidas de austeridade apertaram as famílias e levaram a um nível recorde de desemprego, acima de 27%.