Grêmio se mantém entre os oito

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de outubro de 2002 as 23:47, por: cdb

O Grêmio superou o Atlético-PR, por 2 x 1, na noite desta quarta-feira, e manteve sua grande ascensão no Campeonato Brasileiro deste ano. O Furacão afastou-se ainda mais do G-8, complicando suas chances de classificação. O Tricolor continua bem colocado entre os oito.

Os gols da partida disputada no estádio Olímpico, marcada por agressões e provocações de parte a parte, foram marcados por Ânderson Lima e Rodrigo Mendes (Grêmio) e Fabiano.

Até os 29min do primeiro tempo, o confronto teve um espectador, Danrlei, e um trabalhador, Flávio. O time da casa pressionou impiedosamente o adversário, praticamente não deixando que este saísse do campo de defesa. Rodrigo Fabri, artilheiro do Brasileirão, com 14 gols, foi a expressão máxima da primeira etapa.

Antes dos 10min, o Tricolor já acumulava duas oportunidades, com Roger e Claudiomiro, curiosamente, dois defensores. Eles, contudo, mandaram a bola na arquibancada. Aos 4min, o primeiro lance polêmico: Rodrigo Fabri invadiu a área a foi ao chão, mas o árbitro Romildo Correia nada assinalou, para protestos de jogadores e torcida local.

Fabri não desistiu. Aos 10min, ele passou por um marcador em velocidade e, quando deixava Rogério Corrêa para trás, foi derrubado. O atleta do Furacão recebeu o cartão amarelo. Os gremistas reivindicavam o vermelho, já que ele era o último homem. Na cobrança da infração, Ânderson Lima arriscou e a barreira desviou para escanteio.

O atual campeão brasileiro continuava encurralado e não conseguia, sequer, encaixar um contra-ataque. Aos 20min, mais um susto. Ânderson Lima rolou para Fabri soltar a bomba para cima de Flávio, que mandou para escanteio. Na cobrança, a bola sobrou para Claudiomiro que, mais uma vez, mandou longe da meta.

Depois de mais uma chance clara dos gaúchos, o técnico atleticano, Abel Braga, saiu do banco de reservas e, exaltado, cobrou que seus jogadores tocassem mais a bola, evitando o assédio adversário. Aos 26min, o Furacão finalmente conseguiu o primeiro arremate. Kleberson cobrou falta, a bola desviou em um companheiro e foi pela linha de fundo, sem perigo algum.

Ironicamente, o castigo chegou um minuto mais tarde. Ânderson Lima cobrou falta da ponta-esquerda e Douglas Silva cabeceou para trás, marcando gol contra. A bola ainda tocou no travessão antes de entrar. Contudo, o juiz deu o gol para o jogador do Grêmio.

Aos 29min, Danrlei trabalhou pela primeira vez, fazendo firme defesa, no meio do gol. A partir de então, o Atlético-PR conseguiu sair da sua defesa e buscar o empate com algum perigo.

Aos 34min, Alex Mineiro livrou-se da marcação e chutou alto demais, de dentro da grande área. Seis minutos depois, após uma bola alçada e de um bate-rebate, o perigoso Kléber concluiu para fora.

O primeiro tempo encerrou com o Furacão dominando o Tricolor gaúcho. A única substituição do período aconteceu aos 33min. O ala-esquerdo Roberto sentiu lesão e deu lugar a Pedrinho, ala-direito improvisado no setor.

Apesar de possuir a vantagem no marcador, o time de Porto Alegre continuou empurrando o campeão brasileiro para trás. O jogo ganhou em emoção, pois o Furacão não estava disposta a voltar para Coritiba com uma derrota na bagagem e a quase certa desclassificação.

Aos 6min, houve grande jogada coletiva dos paranaenses. Na finalização, Kléber, desequilibrado, chutou sem direção. A resposta foi imediata. Aos 7min, Luís Mário arranjou espaço e chutou rasteiro, pela linha de fundo.

Quatro minutos depois, a equipe gaúcha ampliou o escore com um golaço. Luís Mário tocou, Fabri fez o corta-luz e a bola sobrou para Rodrigo Mendes. Este último chutou forte, da entrada da área, sem dar chances para o goleiro Flávio.

O Rubro-Negro do Paraná definitivamente estava sufocado em campo e sem ânimo para reagir, para desespero do técnico Abel. Enquanto isso, os poucos torcedores que foram ao Olímpico (contrariando os apelos dos dirigentes) faziam a festa nas arquibancadas.

A festa durou pouco tempo, pois os visitant