Grêmio goleia o Peñarol e passa de fase na Copa Libertadores

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 2 de abril de 2003 as 22:10, por: cdb

O Grêmio está classificado para a segunda fase da Copa Libertadores da América. Na noite dessa quarta-feira a equipe fez 4 x 1 no Peñarol, no estádio Olímpico e chegou a 10 pontos, total suficiente para assegurar antecipadamente uma das duas vagas do Grupo 5. A outra será decidida entre Pumas, Bolívar e Peñarol.

A bola estava rolando havia apenas um minuto quando Gilberto invadiu a área do time uruguaio, passou pelo goleiro e, na seqüência, perdeu a primeira chance de marcar, chutando sobre o zagueiro inimigo. Era a prova clara de que o time gaúcho atirava-se para cima do adversário, buscando logo a vantagem. A partida, naquele início, era disputada apenas numa metade do campo, a do Peñarol.

Diante de tamanho sufoco, os zagueiros da equipe uruguaia passaram a usar de violência, fazendo com que logo aos 11min Bizera recebesse o primeiro cartão amarelo do jogo. As faltas, próximas à grande área, representavam boas chances para os chutes potentes do lateral Anderson Lima.

Só aos 21 minutos o Peñarol se soltou um pouco e Canobbio chegou a arriscar um chute de fora da área, obrigando Danrlei à primeira defesa no jogo. A resposta gremista foi imediata. Um minuto depois Caio acertou a trave do goleiro Elduayen, e no seguinte, aos 23, o zagueiro Claudiomiro aproveitou cruzamento de Anderson Lima, da direita e após subir mais que os zagueiros adversários cabeceou no canto direito do goleiro. Era o 1 x 0 que mudaria o panorama do encontro.

Atrás no marcador, o Peñarol finalmente resolveu ser ofensivo, assumindo o risco de sofrer novos gols em contra-ataques do Grêmio, agora uma equipe mais tranqüila no gramado.

E foi assim que, aos ao natural, em outra jogada iniciada na ponta direita – desta vez por Luis Mário – o Tricolor ampliou. Após o cruzamento, Gilberto recebeu na esquerda, driblou a Herrera e devolveu para dentro da grande área, onde Caio, bem posicionado, apenas empurrou para as redes. 2 x 0.

“Está difícil, mas vamos tentar a reação”, declarou no intervalo, com certo desânimo, o técnico do Peñarol, Diego Aguirre.

Pelo lado do Grêmio, tudo era entusiasmo. “É nosso melhor jogo na temporada”, exclamou o atacante Caio.

O time uruguaio voltou para o segundo tempo com duas substituições – Fajardo e Gimenez nos lugares de Herrera e Rotundo – e, mais do que isso, com uma postura bem mais agressiva. De tal forma que no primeiro minuto conseguiu descontar. Após escanteio da direita, o zagueiro Bizera cabeceou para o solo e enganou o goleiro Danrlei.

A tensão tomou conta do estádio Olímpico e a torcida gremista, em bom número, se aquietou nas arquibancadas. A vitória que parecia se encaminhar fácil, começava a assumir um aspecto dramático.

Aos 6min, quando Gimenez assustou com uma cabeceada por cima da meta do goleiro gremista, o silêncio se tornou absoluto. O sentimento era de que o ótimo Grêmio do primeiro tempo ficara dentro do vestiário e, em seu lugar, voltara a atuar o time dos muitos fracassos desse início de temporada.

Aos 15min, entretanto, a paz voltou ao time e a alegria entre os torcedores quando Gilberto, após dominar a bola num rebote da zaga adversária, acertou uma bomba, rasteira, no cantão esquerdo de Elduayen. E então o Peñarol se desestruturou totalmente. A conseqüência lógica foi a confirmação de uma goleada.

Aos 18min, de falta, Anderson Lima fez 4 x 1 e um coro, então, passou a ecoar no estádio: “Olé”. Estava, ali, decretada a derrota da equipe uruguaia.

O grandalhão Jiménez, que entrara para tentar virar o jogo, ainda receberia muitas bolas cruzadas para a área gremista, mas não conseguiria acertar a meta de Danrlei com perigo em nenhuma das vezes.

O técnico Tite, vendo que o jogo estava decidido, poupou nos 10 minutos finais aos seus dois atacantes, Caio e Luis Mário, colocando em seus lugares a Elton e Emerson.

GRÊMIO 4 X 1 PEÑAROL

Grêmio
Danrlei; Anderson Lima, Polga, Claudiomiro (Roberto) e Roger; Amaral, Tinga, Rodrigo Fabri e Gilberto; Luis Mário (Emerson) e Cai