Governos do Iêmen e do Irã manifestam repúdio à ofensiva dos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 18 de março de 2003 as 11:45, por: cdb

Nesta terça-feira, os governos do Iêmen e do Irã manifestaram seu repúdio a uma ameaça de ofensiva militar liderada pelos americanos.

“Os Estados Unidos, dada a importância do Oriente Médio, começaram a buscar os seus objetivos na região para impor o domínio israelense na região”, disse o ministro do Exterior do Irã, Kamal Kharrazi, depois de se reunir com o primeiro-ministro do Iêmen, Abd al-Qadir ba Jamal, segundo a agência de notícias Irna.

“Israel vai tentar tirar o maior proveito da crise atual”, acrescentou o iemenita Jamal.

O Iêmen é considerado pelos americanos um refúgio para extremistas muçulmanos e tem.

Mas, nos últimos meses, o país tem redobrado seus esforços para caçar supostos membros da rede Al-Qaeda e melhorar o relacionamento com os Estados Unidos.

Estrangeiros são mortos

Um americano e um canadense, ambos funcionários de uma empresa petrolífera, foram assassinados a tiros no Iêmen nesta terça-feira, de acordo com o governo do país.

O autor dos disparos teria se suicidado logo em seguida, segundo petroleiros e moradores da região de Safer, cerca de 300 quilômetros a leste da capital do Iêmen, Sanaa.

Segundo a agência de notícias Associated Press, o crime está sendo investigado e ainda não está claro se teve motivação política, já que aquela região do Iêmen teria alta incidência de crimes armados comuns.

Mas há uma história de agressão contra estrangeiros no país. Há apenas três meses, um atirador não identificado assassinou três missionários americanos em um hospital e, em 2000, uma lancha-bomba se chocou contra um navio americano que estava em um porto local, matando 17 marinheiros.