Governo quer banda larga a custo entre R$25 e R$35 para disseminar acesso à Internet

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 19 de março de 2010 as 11:45, por: cdb

O governo quer criar um programa que garanta acesso à internet banda larga com preços acessíveis, de acordo com o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo. De acordo com o ministro, as alternativas que estão sendo discutidas devem trazer preços na faixa de R$ 25 a R$ 35 por mês.

Segundo o ministro, a idéia é utilizar a rede de fibra ótica da antiga Eletronet e que agora pertence ao governo. O mecanismo de acesso pode ser feito em parceria com empresas privadas. “A empresa terá o acesso à fibra ótica e vai fornecer para o usuário. Vamos condicionar que tenha um preço compatível.”

Para Paulo Bernardo, não poderá haver, nesse caso, venda casada, em que a operadora oferece a internet com o telefone fixo, uma vez que isso ampliaria os custos para o usuário. A ideia é que, depois de lançado, o projeto de uso da fibra ótica se dissemine pelo país no prazo de dois anos.

De acordo com Paulo Bernardo, o debate sobre o assunto foi interrompido por conta da elaboração do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2. Segundo o ministro, o assunto deverá voltar à pauta de conversa com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no final deste mês de março ou em abril, após o lançamento do PAC 2. O ministro também afirmou que a utilização da cabos de eletricidade está sendo testada pelas distribuidoras de energia elétrica e pode ser mais uma opção de acesso à banda larga com preço menor.

Paulo Bernardo comentou que – em alguns locais onde não há cabos de eletricidade ou fibra ótica – poderão ser usados sistemas de rádio ou acesso via satélite. Para o ministro, o Plano de Banda Larga, que está sendo elaborado pelo governo, deve ser aprovado pelo Congresso Nacional com rapidez. “Temos observado que há uma demanda muito grande. Se a gente fizer uma boa proposta, com certeza o Congresso vai correr para aprovar. Todos sabemos que é muito importante diminuir o custo, facilitar o acesso”, afirmou.

Paulo Bernardo também afirmou que não há previsão de lançamento de programa de incentivo às exportações brasileiras, que caíram por conta da crise financeira internacional. “É muito difícil antecipar medidas que estão em estudo”.