Governo prorroga permanência das Forças Armadas em Natal

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 16 de agosto de 2016 as 12:21, por: cdb

Foram registradas ocorrências como incêndios, disparos contra prédios públicos, depredações e uso de artefatos explosivos

Por Redação, com ABr – de Brasília:

 

O decreto que prorroga por mais oito dias a permanência de tropas das Forças Armadas na região metropolitana de Natal (RN) foi publicado na edição desta terça-feira do Diário Oficial da União. Com a medida, fica autorizado o emprego de tropas federais para a garantia da lei e da ordem até o próximo dia 23. O documento é assinado pelo presidente, Michel Temer.

Com a onda de violência e ataques no Rio Grande do Norte, foi iniciada em 4 de agosto a Operação Potiguar
Com a onda de violência e ataques no Rio Grande do Norte, foi iniciada em 4 de agosto a Operação Potiguar

Com a onda de violência e ataques no Rio Grande do Norte, foi iniciada em 4 de agosto a Operação Potiguar. Ela se encerraria no dia anterior, mas o governador do Estado, Robinson Faria, solicitou a permanência das tropas federais.

Cerca de 1,2 mil homens do Exército e da Marinha atuam no combate à onda de violência que, desde o fim de julho, atinge Natal e cidades vizinhas. Foram registradas ocorrências como incêndios, disparos contra prédios públicos, depredações e uso de artefatos explosivos. Ônibus e micro-ônibus foram incendiados.

As ações criminosas são uma retaliação à instalação de bloqueadores de celular no Presídio Estadual de Parnamirim (PEP), em Natal.

Ameaças à população

Lundgren pediu aos moradores do Rio Grande do Norte que mantenham a rotina diária. “A população se sente assustada, mas ao mesmo tempo se sente com a responsabilidade de mostrar que o temor não pode interferir na rotina diária. Precisa agir com precaução, mas precisa manter a situação constante”, disse.

Sobre as ameaças que circulam nas redes sociais, supostamente enviadas por presos insatisfeitos com a instalação dos equipamentos, o governo do estado informou, em nota, que “mantém plano de contingência, preventivo e repressivo, para evitar que venham a ser concretizar” (as ameaças) e recomendou à população que mantenha suas atividades normais, “com a cautela de evitar a propagação de boatos e informações não confirmadas”.

A Secretaria da Educação e da Cultura também informou que as atividades na rede estadual de ensino foram mantidas e que não houve motivos para a interrupção das aulas.