Governo isola Katmandu após protesto contra mortes no Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 1 de setembro de 2004 as 09:18, por: cdb

Autoridades nepalesas decretaram nesta quarta-feira um toque de recolher em Katmandu sem prazo para terminar e advertiram que a polícia vai disparar contra os infratores, depois que multidões furiosas atacaram uma mesquita e várias empresas em protesto contra a morte de 12 nepaleses no Iraque. Os manifestantes invadiram a principal mesquita da cidade e incendiaram móveis e tapetes, mas foram retirados pela polícia.

Outros invadiram os escritórios das empresas Saudi Arabian Airlines e Qatar Airways, quebrando vidros e queimando documentos e móveis na rua. A polícia já havia usado bombas de gás lacrimogêneo contra cerca de 3.000 manifestantes que queimavam pneus em um importante cruzamento a 200 metros da mesquita Jame Masjid, no centro da cidade.

Mas a calma voltou à cidade gradualmente e o toque de recolher entrou em vigor a partir das 14h (05h15 de Brasília), deixando as ruas vazias. As autoridades disseram que o toque de recolher foi imposto para “manter a lei e a ordem e para evitar a perda de vida e propriedade”.

– As forças de segurança podem atirar se alguém for visto violando o toque de recolher. Os moradores estão sendo exortados a não saírem de suas casas nas áreas sob toque de recolher – disse a rádio estatal.

Um grupo militante iraquiano disse nesta terça-feira que matou 12 reféns nepaleses que haviam ido trabalhar como cozinheiros e faxineiros para um empresa jordaniana no Iraque. O grupo mostrou imagens de um deles sendo degolado e de outros mortos com ferimentos provocados por tiros na cabeça e nas costas.

Os manifestantes gritavam “Abaixo o Islã!” e “Vida longa à memória dos 12 nepaleses!”, e pediram a renúncia do governo por não ter feito nada para proteger as vítimas.