Governo fluminense enfrenta desafios no ano novo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 26 de dezembro de 2007 as 09:11, por: cdb

Depois de enfrentar o desafio de preparar equipamentos do estado para os Jogos Pan-Americanos, como o complexo do Maracanã e o Estádio de Remo da Lagoa Rodrigo de Freitas, a Secretaria de Obras do Estado do Rio de Janeiro, ganhou outra batalha neste primeiro ano de governo: tirar o Arco Metropolitano do papel. Obra que começará a executar no ano que vem, juntamente com outro grande empreendimento sob sua responsabilidade: a urbanização de complexos de favelas cariocas.

Projeto que existe há mais de 30 anos, o Arco Metropolitano está orçado em mais de R$ 800 milhões. A rodovia vai unir Itaboraí ao Porto de Itaguaí, cortando toda a Baixada Fluminense e cruzando com as estradas federais que existem no estado, como as BR-101, 116, 493 e 040. Com 140 quilômetros de extenão, a rodovia começará a ser construída em janeiro, com duração de dois anos.

Na área de urbanização, as intervenções nas comunidades da Rocinha, Alemão, Manguinhos e Pavão-Pavãozinho/Cantagalo vão garantir uma melhor qualidade de vida para os moradores. Além de obras, o projeto levará educação, saúde, cultura, lazer e cidadania às comunidades.

Os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) nessas comunidades somam aproximadamente R$ 1 bilhão. As obras do complexo do Pavão-Pavãozinho/Cantagalo já foram iniciadas. As demais devem começar em fevereiro do próximo ano. Todas têm previsão de duração de três anos.

Ainda entre as principais ações da Secretaria de Obras, há também obras do sistema de saneamento da Barra da Tijuca (Cedae), a inauguração da duplicação da RJ-140, que liga os municípios de Cabo Frio e São Pedro da Aldeia, e da ponte de Campos (DER), a reforma de hospitais e escolas e a retomada das obras no Morro Dona Marta (Emop).