Governo do Rio não usa verba destinada à segurança pública

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 26 de outubro de 2009 as 14:17, por: cdb

A falta de investimento na área de segurança pública no Estado do Rio de Janeiro foi o tema da entrevista que o deputado Federal Marcelo Itagiba fez com o presidente municipal do PSDB, deputado Estadual Luiz Paulo Corrêa da Rocha, neste domingo, no programa De Olho no Rio, da CNT.

De acordo com o deputado Luiz Paulo Corrêa da Rocha, o governo estadual não realiza os investimentos previstos nos orçamentos para a segurança pública, que reúne ações para as Polícias Militar e Civil, bombeiros e sistema penitenciário. Luiz Paulo disse que a atual gestão é “incompetemte, ineficiente e que tem implementado apenas a política errada do confronto”.

– O atual governo está enxugando gelo. Não usa a verba destinada à área de segurança pública. Quer apenas visibilidade, deixando de investir na estratégia e no aparelhamento das polícias. O governador Sérgio Cabral só investiu 24% da verba prevista em Segurança.  A política de Cabral é a do confronto direto que não tem inteligência e não resolve nada –, disse o deputado Estadual e ex-vice-governador do Estado do Rio de Janeiro.

O deputado Federal Marcelo Itagiba, delegado da Polícia Federal e ex-secretário de Segurança Pública do Estado do Rio, lembrou que sempre foi favorável ao conceito da Força Tarefa para dar efetiva resposta no combate ao crime. Itagiba disse que o Ministério da Justiça não tem feito nenhum esforço para promover, em conjunto com as esferas estaduais e municipais, ações integradas de segurança.

Para Itagiba, o governo federal tem, inclusive, se mostrado incapaz de controlar a entrada de drogas e armas de guerra nas fronteiras, elevando, com isso, a violência nas grandes cidades.

Luiz Paulo Corrêa da Rocha disse que os recentes acontecimentos no Morro dos Macacos, na Zona Norte do Rio, expôs as fragilidades do sistema de segurança pública do governo, que colocam em risco a vida dos cidadãos e dos policiais.

– De fato, a derrubada do helicóptero deve ser, sim, comparada ao 11 de setembro nos Estados Unidos. Mas, devemos agir para que seja proveitoso e, assim, promover a paz na Região Metropolinana –, disse ele, que espera que as autoridades não percam o “bonde da história”,

– O episódio deve servir de lição para as instâncias do poder. Os policiais estão morrendo nas mãos da criminalidade, fortemente armada –, disse.

Lamentando a morte dos policiais, Marcelo Itagiba destacou a falta de política para atacar o crime, afirmando que o atual governo promove ações sem projeto global de segurança pública, sem diretrizes explícitas.

O presidente municipal do PSDB, Luiz Paulo Corrêa da Rocha, afirmou que “dinheiro tem, falta ao governo estratégia geral”. Além das precárias condições de trabalho, o deputado estadual falou também dos baixos salários dos policiais e contou que o governador Sérgio Cabral deve rejeitar as emendas ao Projeto de Lei, que tramita na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, que prevê aumento de apenas 5%.

– É um governo sem estratégia. As ações de segurança pública não têm rumo. A atual gestão vive de espasmos. Não tem uma política clara, pactuada. A única diretriz pública é a do enfrentamento –, afirmou ele, acrescentando que “a incompetência desse governo está levando a uma situação de estado permanente de terror no Rio”.

De acordo com ele, “o aumento de 5% é ridículo, já que o salário, por exemplo, de um soldado da PM, é, em média, de  R$ 900,00”. – As famílias de policiais mortos ficam na penúria –, afirmou.

Marcelo Itagiba finalizou, afirmando que “segurança pública é coisa séria e que não pode ser tratada como espasmo”. Segundo Itagiba, a criminalidade tem que  ser acuada pela força pública.

– O combate tem que ser permanente, diário –, disse.