Governo do DF homenageia pioneiros e muda logomarca de Brasília

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 18 de abril de 2015 as 17:45, por: cdb

O governador Rodrigo Rollemberg lançou neste sábado a nova logomarca do governo do Distrito Federal (DF), que passa a ser governo de Brasília. O anúncio foi feito durante solenidade pela passagem dos 55 anos de Brasília, que serão comemorados na próxima terça-feira. Na cerimônia, foram homenageados pioneiros que ajudaram a construir a capital do país. O evento foi no Catetinho, primeira residência oficial do presidente Juscelino Kubitschek em Brasília.

A nova marca é inspirada no próprio brasão do Distrito Federal e tem as cores da bandeira do DF.

Brasília
Dar aos moradores de todas as áreas do Distrito Federal as mesmas oportunidades que os do
Plano Piloto têm é desafio, diz o governador Rodrigo Rollemberg

Rollemberg destacou que Brasília acumulou, ao longo dos anos, distorções como ser a cidade com a renda per capita mais alta do país e, ao mesmo tempo, ter as maiores diferenças sociais. O desafio, segundo ele, é que os moradores de todas as áreas do Distrito Federal tenham as mesmas oportunidades que os do Plano Piloto.

– Ao adotar todo o Distrito Federal como Brasília e Brasília como todo o Distrito Federal, estamos resgatando um conceito original e dando um recado muito claro: que queremos, nos próximos anos, fazer com que a população de Ceilândia, de Planaltina, de Brazlândia, de Taguatinga, cada vez mais, tenha acesso às mesmas oportunidades e aos mesmos equipamentos públicos que têm no Plano Piloto – disse o governador.

Atualmente, o Distrito Federal é composto por 31 regiões administrativas e tem cerca de 2,8 milhões de habitantes

O pioneiro Jarbas Marques, jornalista, historiador, e um dos fundadores do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal, lembrou que, em 30 de dezembro deste ano, comemoram-se 60 anos da desapropriação amigável da Fazenda Bananal, que abrigava o Sítio Castanho, onde estão a Asa Sul, a Asa Norte e o Eixo Monumental.

– Sem a desapropriação, o presidente Juscelino não conseguiria construir a capital. No dia 15 de abril, completaram-se 60 anos da escolha do Sítio Castanho pelo marechal [José] Pessoa e pelo doutor Ernesto Silva, com a presença do então governador de Goiás, Bernardo Sayão. Hoje comemoramos os 55 anos da inauguração e 59 anos do início da construção de Brasília – disse Marques, em discurso na cerimônia.

Antes mesmo do início das obras de construção, uma equipe de especialistas liderada pelo marechal José Pessoa precisou localizar o terreno onde seria construída a nova capital. O médico Ernesto Silva participou da comissão de localização da capital entre 1954 e 1956.

– Participamos dessa epopeia feita pelo povo brasileiro, que foi a construção de Brasília. Nós, os candangos e os pioneiros, sentimos orgulho de todos nós, que participamos da construção – completou.

Segundo a Secretaria de Cultura do Distrito Federal, em 10 de novembro de 1956, o presidente Juscelino participou da inauguração do Catetinho, assinando também o primeiro despacho no local. Além de funcionar como residência oficial, o Catetinho abrigou diretores e engenheiros da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap). O nome Catetinho é em alusão ao Palácio do Catete, onde funcionava a Presidência da República na então capital, Rio de Janeiro.