Governo diz que turistas seqüestrados na Argélica podem estar correndo risco

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 15 de maio de 2003 as 18:31, por: cdb

Autoridades argelinas e parentes temem pela segurança de um grupo de 15 turistas europeus que continuam como reféns no deserto do Saara.

O temor aumentou depois que, na última quarta-feira (14), outro grupo de turistas – que também estava seqüestrado na mesma região – foi libertado.

O ministro do Interior da Argélia disse que buscas estão sendo feitas para encontrar e libertar os reféns restantes que, segundo relatos, estariam sendo mantidos como prisioneiros por um grupo extremista.

Dez austríacos, seis alemães e um sueco foram para casa na última quarta-feira (14), depois que tropas do Exército da Argélia supostamente resgataram o grupo de um cativeiro montado por uma organização radical islâmica.

Exploração da imprensa

Os governos argelino e dos seqüestrados têm se recusado a revelar detalhes da suposta operação de resgate, por receio de que isso comprometa a segurança do segundo grupo.

O ministro do Exterior da Argélia, Abdelaziz Belkhadem, condenou o que ele qualificou de “exploração da imprensa” em relação ao resgate, dizendo que isso poderia “interferir com o resto da operação”.

Os turistas desapareceram no deserto há cerca de dois meses.

A liberação do primeiro grupo ocorreu um dia após o ministro alemão das Relações Exteriores, Joschka Fischer, ter se referido aos possíveis seqüestradores em público pela primeira vez.

Fischer visitou a Argélia na última segunda-feira (12), onde se encontrou com o presidente do país, Abdelaziz Bouteflika.

Nas últimas semanas, os governos europeus sofreram intensa pressão para que as autoridades da Argélia resolvessem o mistério sobre o paradeiro dos turistas.