Governo brasileiro quer revisar contratos com termelétricas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 19 de maio de 2003 as 17:23, por: cdb

O governo brasileiro pretende revisar os contratos com as empresas termelétricas, assinados durante o governo anterior em plena crise de racionamento de energia, informou nesta segunda-feira o presidente da Eletrobras, Luiz Pinguelli Rosa.

– Não direi que a negociação será fácil, é justo que o outro lado procure defender seus intereses, embora deva entender que não podemos suportar esta situação -, disse nesta segunda-feira Pinguelli Rosa à rádio CBN.

Para o presidente da estatal, estes contratos, assinados durante a crise energética que atingiu o Brasil de meados de 2001 até fevereiro do ano seguinte, representam para o Estado “gastos absurdamente altos sem nenhuma contrapartida”.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo desta segunda-feira, o governo federal gastará este ano 2,2 bilhões de reais (cerca de 730 milhões de dólares) com o aluguel de 77 geradores térmicos de energia elétrica que estão parados.

Os contratos foram assinados pelo governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) durante a crise energética em caráter de urgência e sem licitação como medida preventiva, já que então se ignorava se o racionamento imposto seria suficiente para enfrentar a falta de energia provocada, principalmente, por uma forte seca. Mais de 90% da energia brasileira é de origem hídrica.

Pinguelli Rosa assegurou que a Eletrobras começou a pedir aos sócios “não para romper o contrato mas para discuti-lo”.

– Temos uma visão clara de que dentro da inciativa privada esses contratos não sobrevivem, já que são altamente onerosos para as estatais -, disse.