Governo argentino quer reduzir tarifas de dívida pública

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 25 de maio de 2003 as 16:58, por: cdb

O novo presidente da Argentina, Néstor Kirchner, disse neste domingo que buscará imediatamente uma redução nos totais da dívida pública, menores taxas de juros e a ampliação dos prazos das obrigações não cumpridas.

Em seu discurso inaugural na Assembléia Legislativa, o líder disse que “seu governo seguirá princípios firmes de negociação com os credores da dívida soberana na atual situação de inadimplência. Não se pode voltar a pagar a dívida à custa da fome nem à custa da exclusão dos argentinos”.

“De forma imediata” e em busca de três objetivos, a nova gestão governamental quer “a redução do total da dívida, a redução das taxas de juros e a ampliação dos prazos e vencimentos dos bônus”.

A dívida pública total do país é de 137 bilhões de dólares.

Atualmente, o país tem em vigência um precário acordo financeiro com o Fundo Monetário Internacional, que vence em agosto, mas desde dezembro de 2001 está com os pagamentos suspensos com os credores privados da dívida em cerca de 60 bilhões de dólares, e estes esperam uma renegociação antes do fim do ano.