Governo alemão sai em defesa de ministra que comparou Bush a Hitler

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 20 de setembro de 2002 as 14:05, por: cdb

O Partido Social-Democrata (SPD) alemão saiu em defesa da ministra de Justiça, Herta Daeubler-Gmelin, contestando informações de que ela teria comparado o presidente dos EUA, George W. Bush, a Adolf Hitler. Os comentários da ministra, citados pela imprensa alemã, mas negados por ela, geraram uma reação hostil da Casa Branca e pressões da coligação oposicionista CDU/CSU para que ela renunciasse ao cargo, azedando a campanha para as eleições para o Parlamento (Bundestag), no próximo domingo.

O jornal regional Schwabisches Tagblatt publicou uma matéria, segundo a qual Herta teria afirmado a um pequeno grupo de pessoas, que Bush estaria querendo distrair a atenção dos problemas domésticos com sua campanha contra o Iraque. “Este é um método popular. Até Hitler fez isso”, teria dito a ministra. O secretário-geral do SPD, Franz Muentefering, afirmou que conversou com Gmelin e que ela negou ter relacionado Bush a Hitler. “Ela acha que seu comentário foi distorcido”, afirmou Muentefering.

O editor-chefe do Schwaebisches Tagblatt, Christoph Müller, no entanto, garantiu a veracidade da frase, insistindo que várias pessoas confirmaram ter ouvido as declarações de Gmelin. Segundo Müller, o repórter do jornal checou as informações com a própria ministra, ligando para esclarecer os comentários.

O porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer, considerou o comentário “ultrajante e inexplicável”. O líder da bancada do CDU no Parlamento, Friedrich Merz, observou que o fato de Gmelin continuar no cargo sinalizaria que o chanceler Gerhard Schröder concorda com os comentários da ministra.