Governistas trabalham no Senado para enfraquecer as CPIs

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 11 de maio de 2007 as 11:24, por: cdb

Depois de tentar inviabilizar a abertura da CPI do Apagão Aéreo no Senado, os governistas mudaram a estratégia: resolveram indicar os integrantes da comissão e apostar que a concorrência com a mesma CPI na Câmara vai enfraquecer as investigações.

Na semana passada, a oposição havia iniciado uma ofensiva para apressar a instalação da CPI no Senado. Pelo acordo firmado entre as lideranças também na semana passada, os partidos aliados têm prazo até a próxima terça-feira para indicar seus representantes. 

Mas a maioria frágil dos governistas no Senado preocupava o Planalto. Agora, senadores da base governista prometeram indicar, até terça, também os integrantes da CPI das ONGs, que deveria ter começado a funcionar no fim do ano passado. 

Mais uma vez, com a expectativa de que as CPIs vão atrapalhar umas as outras. Para evitar o excesso de comissões, o DEM poderá adiar a instalação da CPI das ONGs.

Composição

No Senado, o mais provável é que o PMDB, de ampla maioria governista, fique com a presidência e o DEM, com a relatoria da CPI, por serem as duas maiores bancadas.

“Não queremos fazer manobra para evitar CPI, só se fosse por entendimento político”, afirma o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR). “No fundo, vai ter disputa entre as CPIs”, previu o líder.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), terá que decidir na próxima semana o que fazer com um requerimento do senador em que pede o arquivamento da CPI no Senado, segundo ele inconstitucional por já existir outra na Câmara com o mesmo foco.