Governadora do RN diz que não tem conta na Suíça

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 21 de maio de 2003 as 04:13, por: cdb

A governadora do Rio Grande do Norte, Wilma Maria de Faria (PSB), negou nesta terça-feira, durante depoimento no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que tenha uma conta bancária na Suíça.

– Tudo isso é uma armação sórdida montada durante a campanha eleitoral – disse, após depor ao ministro César Asfor Rocha, do STJ, que determinou em abril a quebra do sigilo bancário, fiscal e telefônico de Wilma.

Ela entregou cópias de documentos que comprovariam que as acusações seriam uma fraude. O depoimento de Wilma, que durou cerca de uma hora, será incluído no inquérito existente no STJ para apurar suspeitas de crime contra a ordem tributária, evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

Entre os documentos apresentados a Rocha pelo advogado da governadora do Rio Grande do Norte, José Roberto Batocchio, estão simulações de abertura de uma conta num banco suíço em nome do descobridor do Brasil, Pedro Álvares Cabral, e da madre Tereza de Calcutá.

– O crime dela foi ter derrubado duas oligarquias poderosíssimas do Rio Grande do Norte – afirmou.

Também foi apresentado um fax enviado pelo Tempus Privade Bank, da Suíça, ao Ministério das Relações Exteriores, informando que não conhece Wilma.

A governadora disse que não pode provar quem forjou a documentação.

– Mas quem começou tudo foi o governador que derrotamos (Fernando Freire), afirmou.