Governadora cobra apoio da União para projetos do estado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 25 de setembro de 2004 as 09:47, por: cdb

Investimentos em infra-estrutura. A cobrança dos empresários que atuam no Estado do Rio recebeu hoje o apoio da governadora Rosinha Garotinho, que fez um balanço da política econômica do governo no seminário “Rio de Janeiro, uma economia dinâmica – Oportunidade de investimentos em transportes”, promovido pela Câmara de Comércio Americana no Jockey Club Brasileiro, Centro do Rio.

A falta de apoio e incentivo do governo federal para projetos importantes do estado, como o Arco Rodoviário, a revitalização do Aeroporto Internacional Tom Jobim e a implantação de uma refinaria de petróleo no Norte Fluminense foi criticada pela governadora, que procurou mostrar aos empresários a importância desses projetos para o crescimento econômico do estado.

– A partir do ano que vem, só com a entrada em funcionamento do Pólo Gás-Químico, na Baixada Fluminense, teremos um aumento de 500 caminhões por dia naquela região e não consta no Orçamento da União para 2005 qualquer investimento na malha rodoviária federal que corta o estado. Minhas questões são específicas e não posso me calar diante dessa política de esvaziamento do Estado do Rio, enquanto o governo do estado está abrindo mão de receita, criando incentivos fiscais, fazendo todo o esforço para crescer.

Mais uma iniciativa do governo visando à melhoria do parque industrial do estado foi lançada durante o evento, quando a governadora assinou o decreto de implantação do Rioferroviário, programa que visa à recuperação e modernização da indústria ferroviária fluminense.

Rosinha citou ainda importantes dados sobre a economia do estado, mostrando que o crescimento industrial fluminense foi duas vezes maior do que o nacional (entre 1993 e 2003): 49,2% contra 25,2%. Com a maior taxa de trabalhadores em empregos formais e PIB de US$ 82,9 bilhões, o Estado do Rio, segundo Rosinha, “cresce como um todo”.

– O Estado do Rio tem regiões muito diversificadas. A realidade de uma região não é a de outra. Por isso, criamos os pólos de desenvolvimento no interior, explorando as potencialidades de cada região, mostrando que é possível levar crescimento e qualidade de vida para o interior – ressaltou.

A instalação de uma refinaria no Norte Fluminense foi defendida novamente pela governadora. Responsável pela produção de 83% do petróleo brasileiro e com uma reserva de 18 bilhões de barris, o estado refina apenas 12% de sua produção. Dado, que segundo Rosinha, pode ser prejudicial para a indústria fluminense nos próximos anos.

– Com a instalação da refinaria poderemos manter a cadeia produtiva em nosso estado quando o petróleo acabar. Assim continuaremos gerando emprego e fazendo com que a Região Norte, uma das pobres do estado, não sofra de esvaziamento.

Para a governadora, cada estado da federação tem uma vocação e cabe à União fortalecer os mercados já existentes.

– Se em tão pouco tempo o setor naval conseguiu ser reerguido, ele tem condições de daqui para a frente obter outras melhorias de tecnologia e produção, desde que haja apoio – completou.

O seminário “Rio de Janeiro, uma economia dinâmica. Oportunidade de investimentos em transportes” foi promovido pela Câmara de Comércio Americana e contou com a presença dos secretários de Segurança, Anthony Garotinho; de Planejamento e Coordenação Institucional, Tito Ryff; de Desenvolvimento Econômico, Humberto Mota; de Transportes, Augusto Ariston; de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Isaura Fraga; de Turismo, Sérgio Ricardo Almeida; de Trabalho e Renda, Marco Antônio Lucidi; de Habitação, Fernando Avelino; de Agricultura, Abastecimento, Pesca e Desenvolvimento do Interior, Christino Áureo; de Energia, Indústria Naval e Petróleo, Wagner Victer; e do secretário-chefe de gabinete da governadora, Fernando Peregrino, além do presidente da Câmara de Comércio Americana, Joel Korn; do presidente da Fecomércio, Orlando Diniz; e do presidente da Associação Comercial, Marcílio Marques Mor