Governador norte-americano defende o fim do embargo econômico contra Cuba

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 27 de setembro de 2002 as 00:07, por: cdb

Governador do Estado norte-americano de Minnesota, Jesse Ventura, disse, nesta quinta-feira, que os Estados Unidos deveriam suspender o embargo comercial que aplicam há quatro décadas contra Cuba. O pedido foi feito pelo governador na histórica inauguração da primeira feira comercial de produtos norte-americanos que se realiza na ilha caribenha desde a revolução comunista de 1959.

“O fato de o regime cubano ser comunista não deve constituir obstáculo para relações comerciais mais estreitas”, acrescentou o governador, citando o exemplo das atuais relações dos Estados Unidos com o Vietnã.

Ventura disse “sim” ao ser perguntado por jornalistas se queria que o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, levantasse o embargo. Ventura comentou que o presidente cubano, Fidel Castro, passou pelo estande de Minnesota, mas que não chegaram a conversar.

O governador também rebateu as críticas daqueles que o acusam de ajudar um regime adversário ao visitar a ilha.

“Sou um capitalista desde que nasci”, afirmou. “Qualquer pessoa que observa minha carreira sabe que acredito no capitalismo; além disso, aos 51 anos, gosto mais de ter amigos do que inimigos”.

Ventura lembrou dos 58.000 norte-americanos que morreram na guerra do Vietnã, e isso não impediu que houvesse agora relações entre os dois países. Ele também pediu aos norte-americanos que sejam céticos com relação aos relatórios de alguns funcionários governamentais de que Cuba não teria dinheiro para pagar as empresas que comerciem com a ilha.

“Recordemos que o incidente do Golfo de Tonkin foi uma fraude e nosso Governo disse que foi real”, comentou, sobre o fato que motivou os Estados Unidos a se envolver na guerra do Vietnã na década de 60.

A Feira de Alimentos e Agricultura dos Estados Unidos em Cuba, que terminará em 30 de setembro, reúne mais de 150 empresas, organizações e agências governamentais norte-americanas e de Porto Rico.

Os organizadores da exposição calculam um público total entre 18.000 e 20.000 visitantes.