Golpistas se articulam pelo parlamentarismo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 10 de julho de 2016 as 15:00, por: cdb

Por Mário Augusto Jakobskind, do Rio de Janeiro:

Colunista denuncia tentativa de introdução do parlamentarismo
Colunista denuncia tentativa de introdução do parlamentarismo

Quer dizer que o negócio agora para o golpista Michel Temer é o parlamentarismo? A informação foi divulgada pelo jornalão O Estado de S.Paulo ao revelar o encontro mantido entre o vice-presidente que exerce o governo interinamente e a bancada do PPS na Câmara e no Senado.

O partido que abriga ex-comunistas, como Roberto Freire e outros do gênero, pretende lançar um movimento em defesa do Parlamentarismo, que segundo o jornalão, conta com o apoio do golpista Temer.

Freire, presidente do PPS, foi mais adiante ao revelar que a sua agremiação pretende viabilizar um referendo para que em 2018 o novo governo já assuma com sob novo regime.

Freire é um dos partícipes do golpe edição 2016 e para despistar fala em referendo e não em plebiscito, que é convocado previamente, enquanto o referendo é uma consulta posterior à criação do ato legislativo ou administrativo, segundo explica o jornalão.

Freire não fala nada em consultas anteriores feitas para saber a opinião do povo brasileiro sobre a questão do Parlamentarismo. Nas vezes que ocorreram as consultar populares, a rejeição foi grande. Mas Roberto Freire não se cansa e quer de qualquer forma impor um regime que se estivesse em vigor com o atual Congresso contemplaria basicamente ainda mais o esquema conservador.

Em 1961, depois da renúncia de Jânio Quadros, o esquema conservador impôs o Parlamentarismo como condição para aceitar a posse do Presidente João Goulart. Perdeu-se uma oportunidade histórica de se seguir adiante com o presidencialismo, restabelecido depois através de um plebiscito. Mas aí é outra história.

Agora mais uma vez o esquema conservador quer impor o regime parlamentarista como forma de tornar o Brasil ainda mais conservador. Quem certamente está vibrando é o Ministro Gilmar Mendes, que nunca escondeu sua preferência pelo Parlamentarismo.

E aí aparece o político Roberto Freire com a “novidade” que está sendo abraçada pelo golpista Michel Temer, que tem um projeto que se não for brecado levará o Brasil para um retrocesso sem tamanho.

No regime presidencialista vigente atualmente, os conservadores tiveram de dar um golpe de novo tipo para tirar a Presidenta eleita do governo. A deposição ocorreu como se no Brasil existisse o Parlamentarismo.

Freire e o seu PPS fazem parte da base de apoio do golpista Michel Temer. Como acontece geralmente com os ex qualquer coisa, além de defenderem de corpo e alma o conservadorismo agem sem o mínimo pudor ao apoiarem a deposição da Presidenta Dilma Rousseff, como aconteceu, sem ela ter cometido qualquer crime de responsabilidade.

A história algum dia vai julgar Roberto Freire e políticos do gênero. Da mesma forma os parlamentares que votaram na Câmara dos Deputados o impeachment serão lembrados lá pelos anos 2066 como figuras nefastas da política brasileira em 2016.

Mário Augusto Jakobskindjornalista e escritor, correspondente do jornal uruguaio Brecha; membro do Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação (TvBrasil). Consultor de História do IDEA Programa de TV transmitido pelo Canal Universitário de Niterói, Sede UFF – Universidade Federal Fluminense Seus livros mais recentes: Líbia – Barrados na Fronteira; Cuba, Apesar do Bloqueio e Parla , lançados no Rio de Janeiro.

Direto da Redação é um fórum democrático de debates, onde são publicadas opiniões divergentes e mesmo opostas, editado pelo jornalista Rui Martins.