Gol diz que demissões na Webjet foram necessárias; sindicato classifica de “escândalo”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 11 de dezembro de 2012 as 10:51, por: cdb

O representante da companhia aérea Gol Alberto Fajerman disse nesta terça-feira que foi “cruel”, mas necessária a dispensa dos 850 funcionários da extinta Webjet, devido ao setor de aviação civil enfrentar um momento difícil por causa de mudanças na economia como o aumento do dólar e de combustíveis. Ele justificou que, quando a empresa apresentou ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) a fusão da Gol com a Webjet, em 2011, a intenção era manter esses funcionários e adequá-los em aviões mais modernos.

Ele participou de audiência pública na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) para debater a fusão das duas companhias aéreas e suas consequências. Ainda sobre o aumento dos custos da empresa, o assessor da presidência da Gol reconheceu que não há como crescer sem aumento de custos. Ele frisou que somente o preço do combustível representa R$ 60 do custo de uma passagem aérea uma vez que o valor está atrelado à variação do dólar.

Fajerman reconheceu que as promoções de bilhetes publicadas no site da Gol funciona como um chamariz para o cliente.

– Quando rapidamente o número dos assentos (incluídos na promoção) é atingido nós paramos (de vender) – afirmou.

A representante do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) Graziella Baggio qualificou o processo de compra da Webjet pela Gol de um “escândalo”. Segundo ela, ao contrário do que prometeu ao Cade, a empresa reduziu o número de voos e demitiu os funcionários da Webjet:

– Isso é um escândalo. Grandes empresas aéreas adquirem outras de médio porte com pretexto de expansão de oferta de voos.

Ela acrescentou que a autorização do Cade para a aquisição, mesmo que com restrições, representou um “cheque em branco” para a concorrente demitir os funcionários da Webjet e aumentar os preços das tarifas cobradas ao consumidor. Graziella disse ainda que o setor já soma 6 mil demissões de aeronautas.

A representante do SNA ressaltou que as presidências da TAM e da Gol já anunciaram reduções em 2013 da malha aeroviária em 6% e 7%, respectivamente. “É inaceitável como esta situação vem ocorrendo.”

Já o representante do Ministério do Trabalho e do Emprego, que tentou uma conciliação entre as partes, Eudes Carneiro destacou que o objetivo era encontrar alguma opção como concessão de férias coletivas ou redução de jornada com diminuição de salários. “A tentativa de acordo não prosperou”, acrescentou ele.

Eudes Carneiro disse que o ministério vê com preocupação as demissões que ocorrem não só na aviação civil, mas também em setores como o de calçados e o bancário. “Agora, com uma possível fusão da Trip com a Azul, queremos começar as negociações antes de sua conclusão para evitar que se repita o que aconteceu entre a Gol e a Webjet”, destacou.

O conselheiro do Cade Ricardo Machado Ruiz disse que essa compra não é um fato isolado no setor.

– Estamos vendo isso nos últimos anos e estaremos vendo nos próximos – concluiu.