Globo e RBS são investigadas em nova operação da PF

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de abril de 2015 as 13:28, por: cdb
RBS
A RBS é afiliada da Rede Globo no Rio Grande do SulRBS

A Polícia Federal (PF) levou adiante, nesta quarta-feira, as investigações no âmbito da Operação Pavlova, que apura a prática de crimes financeiros por parte de executivos do Sistema RBS e das Organizações Globo. Os agentes da PF estão em campo, desde o dia 15 deste mês, na busca pelos responsáveis por desvios milionários à empresas do ramo de seguros, capitalização e previdência.

Foram cumpridos 10 mandados de busca e apreensão, sendo oito em Porto Alegre e dois em Marau, além de cinco mandados de condução coercitiva. Participaram da operação 60 policiais federais.

Segundo relatos extraoficiais, foi descoberto em um blog o nome de um integrante da família Sirotsky, a proprietária da RBS, afiliada da Rede Globo no Rio Grande do Sul. Ainda segundo informações, Patrick Lucchese, integrante da família Sirotsky, foi conduzido coercitivamente pela Polícia Federal para prestar esclarecimentos.

Contratos para prestações de serviços que não eram realizados ultrapassaram cifras de R$ 10 e até de R$ 20 milhões. O delegado de repressão a crimes financeiros, Tiago Busato, admite não ter o montante exato do prejuízo.

– Colhemos, hoje, uma grande quantidade de provas e documentos. Vamos fazer uma análise do conteúdo probatório, mas dá para garantir que alguns contratos envolviam cifras milionárias – adiantou.

Para tentar reverter as perdas, foram bloqueados as contas bancárias e os bens dos investigados, como cinco veículos de luxo, além de imóveis localizados dentro e fora do Rio Grande do Sul. A procuradora federal Patrícia Weber explicou que o patrimônio das empresas do segmento é baseado nos recursos mensais pagos pelos segurados.

– Se o fluxo financeiro das instituições está comprometido, gerando endividamento e situação de falência, quem fica prejudicado é o cliente que não garante o benefício em caso de necessidade. Desse modo, a prática gera uma preocupação social e o segurado é lesado diretamente – afirmou ela.

Os crimes praticados foram lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e gestão fraudulenta. Quatro empresários e um advogado, suspeitos de participarem do esquema, já prestaram depoimento, desse grupo, pelo menos quatro foram indiciados.

Comments are closed.