Gleisi Hoffman defende reajuste dos valores pagos ao Paraguai por energia de Itaipu 

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 24 de março de 2011 as 17:15, por: cdb

O aumento nos valores pagos pelo Brasil ao Paraguai pela energia produzida em Itaipu significa muito para os paraguaios e não representa peso substancial nas contas do Brasil. A afirmação foi feita pela senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), durante a comemoração dos 20 anos do Mercosul, nesta quinta-feira (24), no Plenário do Senado.

– Com esse incremento, serão promovidos investimentos em ações sociais e infraestrutura, o que certamente produzirá efeitos positivos na região fronteiriça brasileira e para os brasileiros que moram no Paraguai. E pelo nosso lado, não representa peso substancial nas nossas contas e mesmo nas contas de luz dos cidadãos brasileiros – disse a senadora.

Segundo Gleisi Hoffman, o Acordo de Notas Reversais referente à cessão da energia de Itaipu, assinado entre o Brasil e o Paraguai com o objetivo de corrigir e adequar os valores pagos pelo Brasil pela energia comprada dos paraguaios, deve ser votado na Câmara dos Deputados na próxima semana. A senadora defendeu a aprovação do acordo e disse que o texto não modifica o Tratado de Itaipu. 

– Ele continuará vigente em toda a sistemática de funcionamento, inclusive a que obriga aquele país a vender em sua integralidade o excesso de energia produzida em Itaipu para nós, brasileiros, até o ano de 2023. Apenas foram corrigidos os valores pagos nessa operação.

A senadora disse que, apesar de o Brasil ter investido mais recursos na construção da usina, Itaipu não existiria sem a participação do Paraguai, “pelo menos não naquela posição estratégica”. 

– Estamos falando de uma área hidrográfica na faixa de fronteira e daí, desde sempre, a necessidade da binacionalidade da hidrelétrica de Itaipu – disse.

Segundo a senadora, o Paraguai possui a segunda maior população de brasileiros residentes fora do país, cerca de 300 mil pessoas, atrás apenas do número de residentes nos Estados Unidos.

Da Redação / Agência Senado