Gilberto Silva quer R$ 400 mil do Galo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 5 de novembro de 2002 as 23:29, por: cdb

Após proporcionar um lucro de US$ 7 milhões para os cofres do Atlético-MG, ao ser negociado com o Arsenal, da Inglaterra, em julho passado, o volante Gilberto Silva reivindica a sua compensação na Justiça do Trabalho.

O advogado do jogador, Fábio Cruz, ingressou ação contra o clube requerendo o pagamento de uma dívida que pode ultrapassar a casa dos R$ 400 mil. A primeira audiência está marcada, inicialmente, para o dia 11 de dezembro, na 33a Vara do Trabalho da capital mineira.

Mas o advogado do jogador tenta adiar a data para que Gilberto, que está em plena disputa do Campeonato Inglês, possa comparecer pessoalmente perante o juiz. Caso a audiência não seja adiada, o volante será representado por um colega de trabalho, nesse caso outro jogador que atuou com ele no Atlético. “Mas, na segunda audiência, o Gilberto terá que comparecer para prestar depoimento”, explicou o advogado.

Em nota distribuída à imprensa, Gilberto Silva, que foi convocado por Zagallo para o amistoso da Seleção com a Coréia do Sul, no próximo dia 20, disse que seu objetivo é apenas receber aquilo que julga ter direito. Ele considera que não havia outro meio de brigar para que o clube lhe pagasse o débito a não ser recorrer à ação na Justiça do Trabalho.

“Quiseram acertar apenas 50%, inclusive do que me cabe na transferência para o Arsenal e depois me negaram cheques e promissórias. Não posso ficar, depois de quatro meses aqui na Inglaterra, esperando algo que não se decide. Deveriam ter, no mínimo, agido de forma correta”, afirmou o atleta em sua nota oficial.

Segundo Fábio Cruz, a ação foi motivada pelo fato de o Atlético não ter efetuado o pagamento da rescisão contratual de Gilberto, quando ele foi vendido ao Arsenal. Pelo acordo, ele teria direito a receber dois meses de salários atrasados, além de uma gratificação extra de R$ 100 mil, prevista em contrato assinado, por ter sido convocado para a Copa do Mundo.

O advogado alega que o clube propôs parcelar a dívida, mas recusou-se a dar garantias do pagamento da mesma. “Ele ainda não assinou a rescisão, pois tinha dos meses de salários atrasados, referentes ao direito de imagem. Além disso, o Atlético se comprometera em contrato a pagar os R$ 100 mil, 72 horas após o Gilberto retornar da Copa, o que não foi feito”, afirmou.

Além dos salários, Fábio Cruz informou que o Galo deve um valor referente à férias proporcionais do atleta, além de não ter efetuado o pagamento do 13o salário do ano passado. “O Gilberto vinha negociando com o Atlético, mas eles ofereceram pagar R$ 36 mil à vista, e mais quatro notas promissórias de R$ 60 mil cada”, acrescentou.

O problema, de acordo com o advogado, é que a diretoria alvinegra recusou-se a avalizar as promissórias. “Isso seria um calote declarado, já que as notas promissórias não teriam avalista”, explicou.

Ele disse que o valor total da dívida pode ultrapassar a quantia dos R$ 400 mil. “O Atlético ainda não pagou o direito de imagem ao Gilberto e vamos tentar incorporá-lo ao salário”, justificou.

Clube aguarda a notificação

O vice-presidente jurídico do Atlético, João Batista Ardizoni, informou que ainda não recebeu qualquer notificação judicial a respeito da ação. Ele disse que só poderá dar uma posição sobre o fato depois que estiver com o processo em mãos, mas criticou a postura do colega. “Agora, surgiram os advogados de porta de clube de futebol, que procuram a mídia antes de entrar com a ação”, reclamou.

“Temos que receber a petição para analisarmos tudo, mas o advogado não esperou e quis aparecer. As dívidas que o Atlético tem com ex-jogadores é coisa de quatro, três anos atrás, mas passou um grupo que quase levou o clube para casa”, acrescentou o vice-jurídico, ironizando as administrações anteriores.