General bósnio é condenado por genocídio a 46 anos de prisão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 3 de agosto de 2001 as 17:17, por: cdb

Um general bósnio-sérvio foi julgado, nesta sexta-feira, culpado do por crime de genocidio devido a sua participação ativa na execução sistemática de mais de 7.000 homens e meninos muçulmanos desarmados, perto da cidade bosniana de Srebrenica, em julho 1995.

O veredito do tribunal internacional por crimes da guerra seria a primeira condenação da corte em uma caso de genocide nas guerras que iniciadas na Iugoslávia. Os massacres nos campos de Srebrenica tornaram-se conhecidos como uma das maiores atrocidades ocorridas na Europa desde a II Guerra Mundial. O general reformado Radislav Krstic, 53, foi sentenciado a 46 anos na prisão. É a sentença a mais longa já expedida por esta tribunal das Nações Unidas.

Lendo em francês a decisão unânime dos três juizes do tribunal, o juiz Almiro Rodrigues, de Portugal, disse que o general era “culpado do assassinato dos milhares de muçulmanos bosnianos.”

Disse o réu, “em julho 1995, general Krstic, você serviu ao diabo. É por isto que a Câmara de Julgamentos o sentencia hoje a 46 anos na prisão.”

A definição legal de genocidio, de acordo com os estatutos da corte, considera os “atos cometidos com intenção para destruir, em inteiro ou na parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso.”