Garotinho quer transformar queima de ônibus em crime inafiançável

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 26 de abril de 2003 as 15:17, por: cdb

A governadora Rosinha Garotinho e o futuro secretário de Segurança Pública, Anthony Garotinho, detalharam os principais pontos da política de segurança pública que será implementada no estado, a partir de segunda-feira. Garotinho adiantou que sua primeira medida, após a posse, será aumentar a punição de desordeiros que queimam ônibus na cidade.

“Na minha primeira circular, para todos os delegados de polícia, indicarei que em vez de registrar a ocorrência de queima de ônibus como desordem pública, que é crime afiançável, passem a enquadrar toda pessoa presa queimando ônibus por crime de associação ao tráfico, que é inafiançável. Os policiais estão orientados a prender quem estiver envolvido nesta baderna de ônibus queimado”, afirmou Garotinho.

O futuro secretário de Segurança Pública, que toma posse na segunda-feira, às 11h, no Quartel General da Polícia Miltar, anunciou ainda que vai trabalhar com metas bem definidas. “Vamos estabelecer metas trimestrais, semestrais e anuais. Tanto a polícia civil quanto a militar terão que cumprir o que foi planejado, para que possamos baixar os índices de criminalidade no Rio de Janeiro”, anunciou o ex-governador.

Garotinho também deixou claro que não irá tolerar a corrupção policial e não limitará a atuação da polícia às áreas mais carentes do estado. “Não vamos fazer uma polícia de classe, que vai dar batida só em favela. A Vieira Souto vai ter o mesmo tratamento que a Rocinha”, reforçando que o programa será voltado para combater o crime organizado, para melhorar a imagem do estado do Rio de Janeiro e para restabelecer a autoridade da polícia.

Ainda hoje, Garotinho se reunirá com a cúpula de seu partido, no Hotel Othon, em Copacabana, na Zona Sul, para se desvincular do cargo de secretário de organização partidária do PSB. “A secretaria de Segurança Pública do estado requer tempo integral. Por isso, vou me dedicar 24 horas por dia a fazer esta política de paz, porém dura. Não vai ter conversa fiada. Queremos paz, mas quem agir fora da lei será punido”, adiantou.

“Aceitei este desfio porque o povo do estado do Rio tem sido muito generoso comigo. Já me elegeu deputado, prefeito por duas vezes e governador, além de me dar a maior votação na eleição presidencial e escolher Rosinha para dar continuidade a minha política. Se recusasse esse desafio, o povo iria me achar um egoísta. Não estou buscando as rosas. Estou buscando os espinhos”, completou.

Garotinho finalizou sua participação no programa fazendo um apelo à população. O futuro secretário de Segurança quer que a sociedade toda se mobilize no combate ao crime e ao tráfico de drogas.

“Sei que hoje existe um número muito grande de consumidores de drogas. A droga que o usuário consome, dá dinheiro ao bandido para ele comprar arma. Com essa arma, ele assalta o seu carro e mata o seu filho. O governo vai fazer a sua parte. Você, como cidadão, faça a sua. Não compre droga. O dinheiro da droga é que alimenta a arma do bandido”, concluiu Garotinho.