Gangue oferece proteção e organiza camelôs ilegais em SP

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 15 de setembro de 2003 as 19:26, por: cdb

A polícia fecha o cerco contra uma gangue que atua no Centro de São Paulo, oferecendo proteção a camelôs e comerciantes que atuam na região da Rua 25 de Março. A gangue seria a responsável por sete mortes.

A última vítima foi o camelô João Batista Mesquita, assassinado neste fim de semana. Ele era o responsável por organizar a chamada “feirinha” da 25 de Março, que opera na madrugada.

Os integrantes da gangue seriam todos de uma única cidade no estado da Paraíba, Catolé do Rocha. Segundo a polícia, eles já cometeram crimes no estado de origem. Atualmente, cobram uma taxa de comerciantes e camelôs.

São também eles que organizam e defendem os interesses de camelôs que vendem produtos contrabandeados e pirateados, atuando na ilegalidade. A polícia já sabe quem são os integrantes do bando, mas não pôde prender ninguém porque nenhuma testemunha ou vítima quer reconhecer ou depor contra eles.