Galo vence Rio Branco de virada

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 1 de março de 2003 as 18:22, por: cdb

O Atlético venceu o Rio Branco, de virada, por 3 x 2, neste sábado, no Estádio Independência. Se não melhorou a situação da equipe no Campeonato Mineiro, já que o líder Cruzeiro derrotou o Guarani, o resultado pelo menos deixou o Galo em segundo lugar na tabela, ultrapassando o América. Guilherme (2) e Alexandre marcaram para o Alvinegro mineiro, enquanto Geovani e Jefferson fizeram os gols do time de Andradas.

Diante da fraca campanha do Galo no Estadual, a torcida nem deu bola para a partida, preferindo curtir o Carnaval. Com o Estádio Independência praticamente vazio, o Alvinegro entrou em campo desligado, em ritmo de feriado. Displicente, o time da capital chegou a levar sustos no início, repetindo os velhos erros de marcação na defesa.

O Rio Branco não se intimidou com o fato de jogar fora de casa e partiu para cima nos primeiros minutos. O atacante Euler recebeu na área, mas foi contido pelo goleiro Velloso, que salvou o Atlético defendendo a bola nos pés do adversário. O Galo, por sua vez, nem parecia se importar com a necessidade de buscar a vitória, para manter as chances remotas de conquistar o título.

Lento e desinteressado, o time da casa só chegou com perigo aos sete minutos. O lateral-esquerdo Marquinhos se aventurou ao ataque e acertou um forte chute que acertou a trave do goleiro Gilson. Parecia que o Atlético deixaria a preguiça de lado e partiria com tudo para pressionar o adversário. Mas o Rio Branco voltou a assustar a confusa defesa alvinegra.

O Galo foi ameaçado em dois lances seguidos, com Fernando e Leandro Diniz, ambos aliviados por Velloso. Mas, premiando a maior determinação em campo, o time de Andradas abriu o placar com o atacante Geovani. Aos 22 minutos, após lançamento preciso de Souza, a defesa do Atlético vacilou e o jogador ficou sozinho para desviar do goleiro.

A reação alvinegra, porém, foi instantânea. Três minutos depois do gol sofrido, o meia Lúcio Flávio cruzou da esquerda e Guilherme subiu mais alto que o zagueiro, para completar de cabeça e empatar a partida. A partir daí, o jogo ficou aberto, já que o Rio Branco não deixou de buscar o ataque. O Galo tinha no veloz Kim a principal arma, mas o jogador deixou o campo com desidratação e foi substituído por Alessandro.

Após o apito final do primeiro tempo, os jogadores do Galo foram para o vestiário e levaram uma bronca do técnico Celso Roth, que não poupou palavrões para chamar a atenção do time. O “sermão” do treinador deu resultado. O Atlético voltou com tudo na segunda etapa e virou o jogo logo a 1 minuto, com Guilherme, em jogada individual. Ele se livrou da marcação e colocou no canto direito de Gilson, fazendo seu sétimo gol no Mineiro.

A virada animou o time do Galo, mas o Rio Branco continuou insistindo. Mostrando personalidade, o time do Sul de Minas empatou o jogo, para desespero de Roth. Aos 13 minutos, o lateral-direito Fernando aproveitou passe cruzado da esquerda, dominou e chutou sem chances para o goleiro Velloso. O treinador atleticano decidiu mexer e substituiu o apagado Juninho por Alexandre, na tentativa de dar mais força ofensiva à equipe.

Para sorte de Roth, a troca de jogadores surtiu efeito. Cinco minutos depois, o mesmo Alexandre colocou o Atlético novamente em vantagem. Livre na área, ele aproveitou cruzamento perfeito de Lúcio Flávio da direita, desviando de cabeça para o fundo das redes de Gilson. O Rio Branco mostrava determinação e Velloso voltou a salvar o Galo, em chute de Sandro Luís.

Já o Galo buscava os contra-ataques, poupando energia para suportar o forte calor na capital. O técnico Celso Roth queimou a terceira substituição, trocando o cansado Guilherme pelo juvenil Quirino. Com isso, quem compareceu ao Independência para acompanhar a estréia do zagueiro Scheidt, que ficou no banco de reservas, voltou para casa frustrado.

ATLÉTICO-MG 3 X 2 RIO BRANCO

Atlético-MG
Velloso; Alex, André Luiz, Neguete e Marquinhos; Hélcio, Cleison, Juninho (Alexandre) e Lúcio Flávio