Galo vence Náutico por 2 a 1

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 9 de abril de 2003 as 23:40, por: cdb

Em partida intensamente disputada, o Atlético-MG venceu o Náutico, de virada, por 2 x 1, nesta quarta-feira, em Recife. Com o resultado, o Galo chegou a 13 jogos sem perder e impediu o Timbu de festejar, com vitória, os seus 102 anos de vida, completados na véspera. De quebra, o time mineiro conseguiu a vantagem de poder perder por 1 x 0 no jogo da volta, na capital mineira, em 30 deste mês.

O primeiro tempo não foi caracterizado pela boa técnica. Os dois times erraram 33 passes, 18 deles pelo lado do Atlético-MG e cometeram 26 faltas, 13 para cada lado. Mas, em compensação, sobrou empenho, principalmente do lado do Náutico. Os jogadores do time pernambucano correram muito, cientes de que só a vitória, se possível, por boa margem de gols, lhe interessava.

A contusão do atacante Jorge Henrique, que deixou o campo logo aos 2min, com uma contusão muscular na coxa esquerda, acabou interferindo diretamente na atuação dos donos da casa. O atacante Cláudio, que substituiu o titular machucado, deu mais velocidade ao Náutico, que começou a ameaçar o gol de Velloso.

E o gol não demorou a sair. Cláudio ajeitou com perfeição a bola para o potente chute de Mabília, no ângulo do goleiro atleticano, que não teve condições de defender. Dessa forma, o experiente jogador da equipe pernambucana quebrou, aos 15min, uma invencibilidade do Galo, que não havia levado gols ainda nos quatro jogos realizados pelo Copa do Brasil e há cinco partidas consecutivas, não via uma bola entrar em suas redes.

Mas a alegria do Náutico durou muito pouco. Apenas um minuto. A torcida pernambucana, que compareceu em bom número ao Estádio dos Aflitos, ainda comemorava a vantagem, quando o Atlético empatou. Guilherme furou e Alexandre completou para o gol, empatando o jogo.

Os dois gols em tão pouco tempo tornaram a partida ainda mais movimentada e lances de emoção foram criados dos dois lados. Aos 19min, o lateral-esquerdo atleticano Marquinhos cobrou falta e Gilberto Mineiro botou para escanteio. Aos 20min, foi a vez do lateral-esquerda do Náutico, Esquerdinha, chutar e Velloso defender.

No total, nos 45 minutos iniciais, foram oito finalizações do Náutico, contra cinco do Galo, que chegou a diminuir o seu ritmo no final do primeiro tempo, tentando diminuir o ímpeto do adversário. Velloso chegou a receber cartão amarelo do árbitro Heber Roberto Lopes, por cera. Mas o goleiro atleticano explicou que não estava retardando o jogo. “Nosso time estava é com poucas opções de saída de bola, por causa da forte marcação do Náutico”, observou.

Náutico e Atlético voltaram com os mesmos times e com a mesma disposição. O resultado foi um jogo com chances de gols criadas dos dois lados. Jogando com apoio da sua torcida, o Timbu partiu para a pressão. Nos contra-ataques, o Galo ameaçava, como aconteceu aos 8min, quando Guilherme de puxada, em jogada característica, obrigou Gilberto Mineiro a boa defesa.

Dois minutos depois, Alexandre marcou o seu segundo gol. Cicinho cruzou, Lúcio Flávio ajeitou de cabeça e o meia atleticano colocou o alvinegro em vantagem no placar. A situação do Galo complicou quando Hélcio sentiu “cansaço muscular” e foi substituído por Ferrugem. O novo volante atleticano, no entanto, ficou apenas dois minutos em campo, pois foi expulso, aos 18min, após falta violenta em um adversário.

Com um jogador a mais, o Náutico voltou a atacar, aproveitando também o fato de o meio-campo atleticano estar mais vulnerável. Para solucionar o problema, o técnico Celso Roth tirou o meia Lúcio Flávio e colocou em campo o zagueiro Nem, que voltou ao time após um mês afastado, por causa de uma contusão. O treinador Heriberto da Cunha, por sua vez, tirou o volante Adílson e escalou o atacante André Jacaré.

O panorama do jogo continuou o mesmo: o Náutico atacando e o Atlético se defendendo, administrando a vantagem e esperando o tempo passar. Esporadicamente, o Galo buscava o contra-ataque, mas claramente fez a opção por defender a vitória de 2 x 1.