Fusão entre Crédit Lyonnais e Crédit Agricole causará 4,6 mil demissões na França

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 16 de dezembro de 2002 as 21:42, por: cdb

Os bancos Crédit Lyonnais e Crédit Agricole concluíram pela preservação de suas marcas, logo, pela continuação das duas redes de agências bastante complementares (as grandes cidades para Lyonnais, as pequenas e médias para o Crédit Agricole). Mas vão fundir as suas actividades de bancos de investimento e de back-office (gestão das contas e operações).

A economia gerada por esta fusão deveria representar EU$ 760 milhões até 2006, de acordo com o cálculo anunciado nesta segunda-feira pela manhã. Os dois grupos esperam, em dois anos, economizar EU$ 490 milhões para suas atividades de banco de financiamento e EU$ 110 milhões para as suas actividades no varejo, em toda a França. A aproximação terá um impacto positivo nas ações do Crédit Agricole a partir de 2004, anunciarm os bancos.

Esta aproximação provocaria sobretudo “4.600 demissões” durante três anos. O sindicato do Crédit Lionaise realizou, na manhã de segunda-feira, uma manifestação em frente ao Banco da França. Questionado quanto às medidas recessivas, o presidente do Lyonnais, Jean Peyrelevade, confirmou o mesmo número, acrescentando que tratava-se da “turnover natural” dos dois bancos a cada ano. Estas supressões de emprego referir-se-ão principalmente aos ofícios do banco de investimento e seriam menores do que no caso de fusão do Crédit Lionaise com BNP Paribas, dois estabelecimentos de perfis mais parecidos.