Furlan descarta crise de desconfiança em decisão da Alcoa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 6 de janeiro de 2004 as 08:53, por: cdb

O fato de a Alcoa cancelar, no Brasil, investimentos de US$ 1,3 bilhão para este ano não chega a preocupar o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan. Segundo afirmou, o caso Alcoa está ligado à tarifa de energia elétrica e não representa qualquer dúvida quanto às regras do setor.

– Esse tema tem mais a ver com o custo da energia. A Alcoa tem um contrato que está terminando, onde ela tem o custo da energia descontado. A pretensão da empresa era que esse valor em dólares fosse mantido por um tempo maior, mais 15 ou 20 anos. Então é mais uma negociação econômica do que de regulação. O caso específico da Alcoa é um caso de tarifa de energia elétrica que teria de ser garantida por uma empresa fornecedora para que fosse viabilizado o empreendimento de forma competitiva, com preço de energia abaixo do mercado – disse o ministro, em entrevista ao programa Bom Dia Brasil, da TV Globo.

O ministro concorda que exista certa insegurança por parte de alguns investidores, mas disse que tem recebido garantias de novos investimentos de empresas brasileiras e estrangeiras. “Os novos investimentos na área de siderurgia, papel e celulose e na própria área de energia vem fluindo com grande intensidade. Nós vamos ter ao longo deste ano anúncios constantes de novos investimentos, principalmente porque o resultado das empresas no ano passado foram muito positivos. E empresas estrangeiras transformaram o Brasil numa plataforma de exportação. Veja aí o desempenho do setor automotivo que no ano passado cresceu 40% nas exportações, atendendo hoje o mercado internacional com mais de 500 mil veículos”.