Furacão arrasador

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 17 de dezembro de 2001 as 05:21, por: cdb

Um dia com o tempo bom, estádio lotado com a torcida fazendo a festa, dois treinadores ousados e um atacante inspirado. Esses foram os ingredientes do primeiro jogo da final do Campeonato Brasileiro de 2001. Um dos melhores jogos do campeonato, diga-se de passagem, onde brilhou mais uma vez a estrela de Alex Mineiro. O atacante marcou três dos quatro gols atleticanos e com isso o Atlético-PR conquistou uma boa vantagem para o jogo de volta no dia 23/12. Com o resultado, o clube rubro-negro pode perder por até um gol de diferença. Já o São Caetano, que estava invicto há oito partidas, precisa vencer com a diferença de dois gols para ser campeão.
O jogo começou com os dois times muito nervosos, mas os donos da casa, com a ajuda da torcida, pressionava o adversário. E abriu o marcador logo aos 4 minutos. Adriano tocou para Ilan que driblou dois marcadores e tocou na saída do goleiro Sílvio Luiz.
Depois do gol, a equipe do ABC paulista resolveu acordar e tentar esboçar uma reação. E aos 7 minutos Magrão tenta cavar um pênalti, mas o árbitro Carlos Eugênio Simon em cima do lance não marca.
O Furacão da Baixada estava recuado e dando muito espaço para o São Caetano, que exercia uma forte marcação e saía em contra-ataques rápidos. E aos 17 minutos, foi a vez de Anaílson tentar forçar um pênalti. O atacante recebeu livre na área e na saída do goleiro Flávio se jogou. Mas o juiz não marcou mais uma vez.
Um minuto depois, Anaílson fez jogada pela esquerda e cruzou para Magrão, que desequilibrado cabeceou para fora.
E aos 31 minutos, o Azulão chegou ao gol de empate em cobrança de falta da intermediária. Adãozinho rolou para Mancini chutar forte no contra pé do goleiro Flávio. Depois do gol a torcida rubro-negra começou a cantar para incentivar uma reação atleticana.
Mas o São Caetano tinha mais volume de jogo e quase virou o jogo aos 42 minutos. Depois de um bate e rebate na área, a bola sobrou para esquerdinha, que chutou para o gol vazio, mas Cocito tirou a bola de cabeça em cima da linha.
O segundo tempo começou da mesma forma como terminou o primeiro: com o clube paulista no ataque. E logo aos 2 minutos de jogo, os 30 mil torcedores presentes levaram um susto. Serginho mandou a bola no travessão em cobrança de falta. Mas o Atlético-PR respondeu um minuto depois com Adriano, que chutou cruzado de dentro da grande área, mas a bola passou perto da trave e foi pela linha de fundo.
Os donos da casa continuavam pressionando e aos 5 minutos, Alessandro cruzou da direita e Ilan cabeceou no travessão.
E mais uma vez a máxima do futebol prevaleceu e como quem não faz, leva, o São Caetano virou o jogo aos 8 minutos em outra jogada de bola parada. Mancini cobrou falta da intermediária, mas a bola resvalou na barreira. Marcos Paulo aproveitou a sobra e tocou na saída do goleiro Flávio.
Mas a alegria dos poucos torcedores do Azulão presente durou pouco e um minuto depois, Alex Mineiro empatou a partida novamente. O atacante recebeu dentro da área e tocou na saída do goleiro Sílvio Luiz.
O jogo continuava muito equilibrado e permaneceu assim até os 34 minutos, quando Alex Mineiro voltou a marcar. O artilheiro das finais tabelou com Souza e tocou na saída do goleiro Sílvio Luiz.
E aos 46 minutos, o Atlético-PR fechou o caixão do São Caetano. Adriano sofreu pênalti de Daniel e Alex Mineiro marcou o seu terceiro gol na partida, o sétimo na fase final, e o quarto dos paranaenses, para delírio geral.