Funcionários públicos de Israel entram em greve

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de abril de 2003 as 09:32, por: cdb

Cerca de 700 mil funcionários públicos de Israel entraram em greve, nesta quarta-feira, em protesto contra um plano de austeridade econômica do governo do primeiro-ministro Ariel Sharon, anunciou a central sindical Histadrut.

Porta-vozes da entidade disseram que a paralisação é por “tempo ilimitado”.

A greve afetou os transportes aéreos, ferroviários e rodoviários, bem como os serviços portuários e de alfândega.

Escolas e universidades permaneceram fechadas, o mesmo ocorrendo com agências bancárias, a Bolsa de Valores de Tel Aviv e empresas estatais como a Bezeq, de telecomunicações.

A Histadrut convocou a greve depois que o ministro das Finanças, Benjamin Netanyahu, anunciou planos para apresentar à Knesset – o parlamento nacional – um projeto-de-lei que inviabilizaria acordos coletivos no setor público, não apenas por meio de cortes de salários e de demissões, mas também por mudanças no sistema de pensões, incluindo a idade mínima para a aposentadoria.

Essa é a primeira vez na história israelense que um plano de recuperação econômica é preparado na forma de um projeto-de-lei, segundo a agência de notícias France Presse – até agora, as medidas vinham sendo fruto de negociações entre os setores envolvidos no processo.