Funai tenta liberar reféns de índios em MS

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 4 de setembro de 2003 as 11:21, por: cdb

Representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai) de Brasília chegam nesta quinta-feira a Cuiabá, em Mato Grosso do Sul, para tentar buscar uma alternativa de resolver o impasse entre os índios Pareci, que mantêm reféns na aldeia Bacaval cinco funcionários do órgão de Tangará da Serra, a 242 quilômetros da capital, desde a noite da última terça-feira.

Todos eles foram abordados por volta das 20h30, quando tentavam negociar com os indígenas o desbloqueio da MT-235, conhecida como “Nova Fronteira”, que está interditada por membros da etnia desde o último domingo.

Estão retidos na aldeia o chefe do serviço de Patrimônio e Meio Ambiente da Funai, Carlos Márcio Vieira de Barros, o auxiliar Sérgio Santana Toledo, o chefe do posto indígena Pareci, Gonçalo de Assis Poquiviqui, além de Nelson Dias de Almeida Filho e Osvaldo Borges Pinto, que também comandam postos na área de jurisdição do órgão na região de Tangará.

Os Parecis ocupam um área de cerca de 1 milhão de hectares na região de Tangará, mas reclamam de falta de apoio do governo para o fomento à produção agrícola e a conseqüente subsistência das famílias. O objetivo da visita será discutir com o governador Blairo Maggi formas de se atender a reivindicação dos Parecis e criar políticas de apoio econômico à etnia.