Freire nega intervenção no PPS de Alagoas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 15 de julho de 2002 as 20:48, por: cdb

O presidente nacional do PPS, senador Roberto Freire (PE), disse que o partido não vai intervir no diretório do partido em Alagoas, apesar da aliança com o ex-presidente Fernando Collor (PRTB), candidato ao governo do Estado. Segundo Freire, o partido não participará da campanha de Collor.
“Em princípio, o PPS não decreta intervenção por questões políticas, a não ser por honorabilidade”, afirmou Freire. O presidenciável Ciro Gomes disse apoiar uma eventual intervenção no PPS de Alagoas.
Freire não descartou um acerto com o PPS de Alagoas para tirar o partido da aliança de Collor e reproduzir a Frente Trabalhista -PPS, PTB e PDT. Uma das dificuldades para isso, segundo o senador, é o PTB, que indicou o vice na chapa do ex-presidente.
Outro problema é a legislação eleitoral. “Se houver outra forma [que não a aliança com Collor] e puder ser feita, estamos abertos, mas é preciso ver se há possibilidades jurídicas”, argumentou.
Freire afirmou que o PPS está na coligação de Collor por causa da vinculação das alianças estaduais às nacionais. Fora da aliança com Collor, o PPS teria chances reduzidas de eleger deputado federal no Estado – hoje o partido tem o deputado Regis Cavalcanti -, explica o senador.
“Não foi o melhor arranjo, está certo, mas não podem usar de má-fé e dizer que estamos apoiando Collor, porque não estamos. Está na ata [da convenção] que o PPS não votará em Collor”, argumentou.
Freire ressaltou que nem o PPS nem Ciro Gomes subirão no palanque do PRTB. “Ao contrário de outros partidos, não precisamos esquecer nosso passado, pois nunca votamos em Fernando Collor”, disse.