Fraude em contas públicas no ES atinge R$ 50 milhões

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 17 de junho de 2003 as 20:30, por: cdb

Pode chegar a R$ 50 milhões o novo desvio de verbas públicas que está sendo investigado pelo Ministério Público Estadual (MPE) do Espírito Santo. Só na prefeitura de Sooretama, no norte do Estado, 12 empresários foram indiciados em inquérito policial, com expedição de pedido de seqüestro de seus bens.

Foi solicitada a prisão preventiva de seis envolvidos, de acordo com o promotor de justiça Adriani Nascimento.

Entre os acusados estão o ex-presidente da Assembléia Legislativa, José Carlos Gratz, e o empresário e ex-presidente do Banco do Estado do Espírito Santo (Banestes), Carlos Guilherme Lima. Ambos já estão presos por outros crimes.

Mais quatro envolvidos tiveram um novo pedido de prisão apresentado: o ex-diretor-geral da Assembléia, André Luís Nogueira; o ex-procurador-geral do Legislativo, João Marcos Lopes de Faria; o ex-prefeito de Sooretama, Esmael Loureiro Nunes; e o proprietário da empresa Limaq, Vilmar Borges da Silva.

Os demais acusados de integrar o esquema de corrupção para desvio de verbas públicas, simulando contratos, são o ex-secretário de Finanças de Sooretama, Vanildo Broedel; o empresário, Vinícios Borges da Silva; os engenheiros Walter José Matielo, Carlos Luiz Azevedo e Luiz Gonzaga Meireles Belo; e o ex-deputado José Mauro Gomes e Gama, o Juca Gama.

Na denúncia protocolada no Tribunal de Justiça, o MPE pede também o seqüestro dos bens da empresa Linhares Máquinas Ltda. As investigações duraram cerca de 18 meses.