Francisco Cuoco é assaltado no Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 9 de novembro de 2006 as 19:33, por: cdb

O ator Francisco Cuoco, 72, foi assaltado no início da noite desta quinta-feira no Elevado do Gasômetro, na Zona Portuária. Os bandidos levaram o carro, um Corolla prata , celular, dinheiro, senhas de bancos e documentos. O ator ficou 20 minutos em poder dos bandidos e foi solto próximo à favela da Barreira do Vasco, em São Cristóvão, na Zona Norte.

Francisco Cuoco ficou sempre de cabeça baixa e contou que não teve medo de morrer. O ator estava indo para o Teatro Miguel Falabella, em Del Castilho, na Zona Norte do Rio, onde ele se apresenta com a peça “O Último Bolero”, na sessão das 21h. “Agora eu tenho duas datas de aniversário. Eu nasci de novo”, conta o ator que nasceu no dia 29 de novembro. A sessão desta quinta não foi cancelada.

– Eu vou fazer a peça hoje (quinta), porque essa é a minha profissão -, disse o ator.

No carro em que Cuoco ia para o teatro, estavam a produtora Valéria Keller, o motorista Edmilson Santos Silva, e a amiga e produtora cultural Tatiane Amaral. Edmilson e Tatiane foram levados junto com o ator pelos bandidos. Valéria conseguiu fugir. Segundo o ator, dois veículos com sete bandidos abordaram o seu automóvel.

Tatiane, que também foi levada pelos bandidos, explicou que os assaltantes mandaram todos saírem do carro, menos o ator. Depois, mudaram de idéia, exigindo que ela permanecesse e o motorista fosse para um dos carros dos bandidos. Segundo Tatiane, somente após cinco minutos com os dois, é que os bandidos reconheceram o ator.

A produtora cultural disse também que, depois de reconhecer Francisco Cuoco, os bandidos emparelharam o Corolla em que estavam com uma picape, onde estavam mais três bandidos, e avisaram que Francisco era um ator. Ela acha que foi nesse momento que os bandidos desistiram de ir para bancos e retirar dinheiro com as vítimas. O homem que estava dirigindo aparentava calma e tranqüilizava os dois. Ela falou que os bandidos estavam muito armados e vestidos de coletes à prova de balas. O caso vai ser registrado na 17ª DP (São Cristóvão).