França rejeita nova proposta da Otan

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de fevereiro de 2003 as 16:42, por: cdb

A França rejeitou uma nova proposta de tentativa de resolução do impasse interno na Otan sobre como proteger a Turquia em caso de uma guerra com o Iraque.

Segundo a correspondente da BBC em Bruxelas, Oana Lungescu, o novo plano apresentado pelo secretário-geral da Otan, general George Robertson, envolve o envio à Turquia de mísseis de defesa Patriot, aviões de vigilância e unidades de proteção a ataques químicos e biológicos.

Após uma noite de intensas negociações, segundo Lungescu, os Estados Unidos parecem ter desistido de duas exigências anteriores – a substituição de tropas americanas por soldados europeus nos Balcãs e o aumento da segurança de bases dos Estados Unidos na Europa.

O embaixador americano na Otan, Nicholas Burns, afirmou que o grupo tem a “obrigação” de dar apoio militar à Turquia.

Divisão

Na segunda-feira, França, Alemanha e Bélgica bloquearam os planos de outros 16 membros do grupo, de iniciar imediatamente a mobilização militar para defender a Turquia – o único país da Otan que faz fronteira com o Iraque – no caso de uma guerra.

Os três países dizem que começar agora os preparativos para a defesa da Turquia pode prejudicar os esforços diplomáticos para encontrar uma saída pacífica para a crise.

O porta-voz da Otan, Yves Brodeur, disse que os membros ainda estão “envolvidos em consultas intensas”. Os embaixadores já se reuniram nesta quarta-feira, em Bruxelas, e devem se encontrar novamente ao longo do dia.

Os Estados Unidos voltaram a dizer que a hora da decisão está se aproximando para a Otan e também para a ONU.

Na sexta-feira, os chefes dos inspetores de armas da ONU, Hans Blix e Mohammed ElBaradei, devem apresentar um relatório crucial sobre o processo de desarmamento do Iraque.

Preparações

O Pentágono, sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, ainda espera o sinal verde da Turquia para posicionar pelo menos uma divisão do Exército no país, para ganhar uma estratégica frente ao norte do Iraque.

Essa é uma das razões pelas quais oficiais do Pentágono ficaram tão furiosos com o racha na Otan sobre a defesa da Turquia.

O Pentágono afirmou que cerca de 130 mil militares americanos já estão no Golfo, prontos para iniciar um ataque assim que necessário.

Em Londres, o primeiro-ministro britânico Tony Blair disse que há uma razão moral para uma guerra contra Saddam Hussein.

Para Blair, a outra alternativa é um regime de sanções econômicas ao país, o que causaria a morte de milhares de iraquianos.

Blair disse ao parlamento britânico que manter as sanções é uma “escolha com consequências ruins e devastadoras para o povo iraquiano”.