Forte terremoto atinge Chile e deixa ao menos 122 mortos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 27 de fevereiro de 2010 as 12:07, por: cdb

Um dos terremotos mais poderosos da história sacudiu o Chile nesta madrugada, provocando ao menos 122 mortes, um tsunami e desmoronamento de residências em várias cidades, o que levou o governo a declarar parte do país zona de catástrofe.

O terremoto, que teve magnitude 8,8 segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos e epicentro no sul do país, estremeceu a capital Santiago, onde arrancou varandas de edifícios, derrubou pontes, deixou fábricas em chamas e moradores sem eletricidade e sistema telefônico.

O abalo sísmico custou a vida de pelo menos 78 pessoas, disse a presidente chilena, Michelle Bachelet, e provocou um tsunami que arrasou metade de um povoado na ilha chilena de Juan Fernández, localizada a 600 quilômetros da costa e quase na altura de Santiago. O tsunami ameaçava atingir a Ilha de Páscoa, segundo Bachelet.

– Há uma enorme quantidade de danos que não sabemos a exata dimensão, que está sendo avaliado – disse a jornalistas Bachelet.

Ela declarou as regiões de Maule, de onde era a metade dos falecidos, e Bío-Bío como zonas de desastre.

O movimento sísmico, muito mais poderoso que o mortífero terremoto que devastou o Haiti em janeiro, também causou pânico no popular balneário de Viña del Mar.

Enquanto amanhecia, policiais e bombeiros percorriam as ruas em distintas cidades do país para verificar a magnitude dos danos e socorrer vítimas.

– Eu vi os carros caindo e não sabia o que fazer. Estava sozinho aqui – disse Mario Riveros, segurança de uma fábrica em Santiago, parado junto a uma ponte que desabou.

– Me deu vontade de chorar – acrescentou.

Depois de sofrer várias réplicas, a maior delas de magnitude 6,9, o aeroporto da capital foi fechado por ter a torre de controle danificada, segundo o governo. Um policial no local disse a uma rádio que metade do terminal estava destruído.

Pelo menos três hospitais na capital desabaram e na cidade de Concepción, cerca de 400 quilômetros ao sul de Santiago, o edifício do governo local desmoronou e pacientes estavam sendo transferidos dos hospitais, segundo rádios chilenas.

Apesar de o sismo ter tido epicentro no sul chileno, perto da localidade de Maule, 321 quilômetros a sudoeste de Santiago e a 104 quilômetros de Talca, também foi sentido na vizinha Argentina.

Em Santiago e outras cidades do país, milhares de pessoas saíram de suas casas e estavam acampando nas ruas com medo das réplicas.

– Me salvei porque me joguei para baixo da mesa, tudo veio para cima, todas as portas do edifício estavam quebradas – disse Elba Carrizo, de 81 anos, que conseguiu sair de seu apartamento antes que o prédio desabasse, no bairro de classe média de Maipu.

Apesar de ainda não se saber com exatidão o impacto do tsunami sobre o território insular do Chile, o governo enviou uma fragata à ilha de Juan Fernández.

A onda gigante também atingiu o litoral em Iloca, onde não havia relatos imediatos de vítimas.
Mas também colocava em perigo outras regiões.

– Também poderia ser uma ameaça para costas mais distantes – disse o Centro de Advertência de Tsunamis do Pacífico em sua página na Internet.

O governo chileno ordenou o esvaziamento de algumas regiões da Ilha de Páscoa, onde se esperava o tsunami de maneira iminente.

As autoridades norte-americanas advertiram que as ilhas do Havaí corriam perigo e que era preciso tomar medidas urgentes. A Austrália também emitiu um alerta de tsunami.

O terremoto sacudiu uma região onde estão instaladas grandes minas produtoras de cobre pertencentes à gigante estatal chilena Codelco e a mineradora global Anglo American, entre outras.

A maior mina de cobre do mundo, Escondida, propriedade da BHP Billiton, funcionava normalmente, disse o líder sindical Zeiso Mercado.

Mas as estradas em direção à mina de cobre Los Bronces, propriedade da Anglo American, estavam bloqueadas, segundo funcionários de segurança da instalação. As operações ficaram paralisadas em Los Bronces e El Soldado.

Funcionários da Codelco afirmaram que não puderam contatar seus funcionários nas minas El Teniente e Andina e não sabiam qual era a situação no local.

O Chile está localizado sobre a intersecção de duas placas geológicas que constituem uma das maiores zonas sísmicas do mundo. O país sofreu o maior terremoto já registrado na década de 1960, com uma magnitude de 9,6.