Força dos EUA no Golfo estaria reunindo 150,000 soldados

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 12 de janeiro de 2003 as 15:15, por: cdb

A força militar que o Pentágono está reunindo no Golfo Pérsico estaria pronta para agir contra o Iraque na segunda quinzena de fevereiro. Esta força poderia reunir 150,000 soldados, marinheiros, pilotos e fuzileiros. As informações foram confirmadas no sábado pelos militares americanos.

Menos da metade desta força está na região do Golfo atualmente. Mas três grandes ordens de deslocamento assinadas pelo secretário de Defesa Donald H. Rumsfeld – duas delas nas últimas 24 horas, para um deslocamento de 62,000 tropas e uma em 24 de dezembro para outros 25,000 soldados – ordenaram o envio de reforços criticamente importantes em tropas, blindados, navios de guerra e aviões de combate.

A ordem mais recente envia outros 27,000 soldados para o Golfo, incluindo-se Fuzileiros e uma brigada de infantaria aerotransportada do Exército, um esquadrão de F-117 Nighthawk da Força Aérea e dois esquadrões de F-16CJ. E uma ordem de sexta-feira despachou 35,000 soldados, metade deles Fuzileiros, para a região. Na semana passada, porém, o Comando Central dos EUA em Tampa, Flórida, enviou a vanguarda de uma equipe de 1,000 membros que operaria o QG no Catar.

Mas as ordens mais recentes marcam uma nova e importante fase da campanha: o fluxo da principal força de combate, que teria o objetivo de pressionar o presidente Saddam Hussein a se desarmar, e, sob a ordem de Bush, afastar Saddam caso ele se recuse a cumprir aquela determinação.

A reunião de uma força tão grande em países como Kuwait, Catar, Omã, Arábia Saudita e talvez Turquia pode levar várias semanas, ainda que as tropas na região já possam organizar um ataque, afirmaram as autoridades. Cerca de 15,000 Fuzileiros em Camp Pendleton, Califórnia, e Camp Lejeune, Carolina do Norte, recentemente receberam autorização para embarcar em navios da Marinha para o Golfo. Nos próximos dias, os navios destinados ao Golfo começarão a embarcar tanques do Exército em Savannah, Geórgia, e baterias de mísseis Patriot em Beaumont, Texas.

“Em meados de fevereiro, nós estaremos na melhor posição para oferecer ao presidente as opções imediatas mais flexíveis para responder”, afirmou uma alta autoridade militar.

Na quinta-feira, o general Tommy R. Franks, comandante das forças americanas no golfo, informou Bush sobre o movimento iminente de tropas e sobre a estratégia militar do Iraque.

Na semana passada, o general Richard B. Myers, presidente do Estado-Mairo Conjunto, afirmou: “Nós continuaremos com firme e deliberada concentração de tropas, para oferecer ao presidente a flexibilidade que ele necessita para fazer o que julga ser necessário”.