Fome Zero x Guggenheim

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 7 de maio de 2003 as 09:15, por: cdb

O Secretário Municipal de Urbanismo do Rio de Janeiro, Alfredo Sirkis, afirma que a prefeitura gastará com Museu Guggenheim, no total, 175 milhões de dólares. Outras leituras, deste mesmo projeto, calculam em até 620 milhões de dólares os custos para a cidade. Para a população do Rio de Janeiro, tão importante quanto os valores apresentados, é o debate democrático sobre a validade e oportunidade desta obra.

Nesse sentido, a proposta apresentada na Câmara Municipal pelo vereador Edson Santos, que prevê um plebiscito sobre a instalação ou não do museu, é a mais conveniente para a cidadania carioca se manifestar. Um exemplo de confrontação da aplicação desses recursos no Guggenheim é o estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas, em parceria com a Ação da Cidadania contra a Fome. O “Mapa do fim da fome II” revela que o município do Rio possui 878.560 indigentes, e que retirá-los desta condição – possibilitando-lhes comprar diariamente os alimentos necessários – custaria R$ 35 milhões por mês.

A proposta do Programa Fome Zero é que todos – sociedade e governos – se envolvam no combate à pobreza. Evidentemente, se o exemplo não partir ou for acompanhado pelas elites políticas, econômicas e sociais do país, as perspectivas de reversão da situação social ficam mais distantes.

www.fomezero.org.br

Para aqueles que se interessam pelo Programa Fome Zero, para aqueles que acham que a fome é uma novidade ou um problema só do Brasil, vale a pena consultar o site www.fomezero.org.br e conhecer tanto um histórico internacional, quanto as políticas oficiais que já tentaram acabar com esta situação em nosso país. Além de ficar sabendo como participar e quais empresas já estão contribuindo, também se tem acesso à ações de voluntariado, receitas caseiras etc.

Fome Zero é lançado em Alagoas

O ministro de Segurança Alimentar e Combate à Fome, José Graziano da Silva, lançou na última segunda-feira o Programa Cartão Alimentação em Alagoas. De início, 17 municípios serão beneficiados por esta ação, que pretende atender 500 mil famílias da região do semi-árido do País até o final do semestre. Pelo Programa, famílias com renda de até meio salário mínimo per capita terão direito a receber R$ 50,00 mensais, durante seis meses, para a compra de alimentos. O objetivo é que nesse prazo sejam implementadas, paralelamente, políticas estruturais de saúde, educação, geração de renda etc, que transformem a condição de vida das famílias e reduzam o risco de
segurança alimentar.

O Governo do Estado de Alagoas já realiza vários programas assistenciais e de inclusão social, como o de alfabetização, de incentivo à agricultura e o de Entrega de Leite, que atuarão conjuntamente com o Fome Zero. Também está sendo implantada a descentralização da compra da merenda escolar, que valorizará a economia dos municípios.

Conselho do Fundo de Combate à Pobreza debate orçamento

O Conselho Consultivo do Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza reuniu-se na última terça-feira, em Brasília. Constou da pauta a aprovação do regimento interno e a apresentação de metodologia para elaboração da proposta orçamentária contendo os programas e ações a serem financiados em 2004. Entre as atribuições do Conselho está opinar sobre políticas, diretrizes e prioridades do Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza; sugerir áreas de atuação onde devem ser utilizados os recursos arrecadados e propor o montante a ser utilizado em cada área de atuação. As receitas do Fundo provêm do Orçamento Geral da União, com valores significativos da CPMF e de doações da sociedade civil.