FMI: medidas fiscais anunciadas por governo são importantes

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 17 de setembro de 2015 as 13:52, por: cdb

Por Redação, com Reuters – de São Paulo:

O porta-voz do Fundo Monetário Internacional (FMI) Gerry Rice disse nesta quinta-feira que as recentes medidas anunciadas pelo governo brasileiro são importantes para a retomada da sustentabilidade fiscal do país.

– É importante que essas medidas sejam implementadas agora, incluindo a aprovação do Congresso quando necessário. Um compromisso forte para colocar a relação dívida/PIB firmemente em um caminho de queda é necessário para impulsionar o sentimento do mercado e fortalecer o retorno ao crescimento – disse.

medidas fiscais
Para o FMI é importante que essas medidas sejam implementadas agora

Em abril o FMI passou a projetar contração da atividade brasileira neste ano, na maior revisão da projeção para um país entre as principais economias do mundo, ao mesmo tempo em que elevou com força a perspectiva para a inflação para bem acima da meta do governo.

No relatório “Perspectiva Econômica Global” divulgado nesta terça-feira, o FMI estima agora que o Produto Interno Bruto (PIB) do país irá contrair 1,0% em 2015, contra projeção anterior de expansão de 0,3% feita em janeiro.

A perspectiva para 2016 também foi reduzida, em 0,5 ponto percentual, para um crescimento de 1,0%.

“A confiança do setor privado tem permanecido teimosamente fraca, mesmo depois de a incerteza relacionada às eleições ter se dissipado, refletindo o risco de racionamento de eletricidade e água no curto prazo, desafios de competitividade ainda sem solução e os efeitos da investigação da Petrobras”, destacou o FMI em nota.

Os novos números foram divulgados após a economia brasileira ter conseguido em 2014 o crescimento mínimo de 0,1%, registrando o pior desempenho para os investimento em 15 anos.

O FMI destacou que as autoridades brasileiras renovaram o compromisso para controlar o déficit fiscal e reduzir a inflação e que isso vai ajudar a restaurar a confiança na estrutura de política macroeconômica do Brasil. Mas alerta que isso “vai conter ainda mais a demanda de curto prazo”.