Fla se classifica às oitavas-de-final da Copa do Brasil no sufoco

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 3 de abril de 2003 as 00:19, por: cdb

Foi um sufoco, mas o torcedor rubro-negro deixou o Maracanã, na noite desta quarta-feira, comemorando a classificação do Flamengo para as oitavas-de-final da Copa do Brasil. No tempo normal, Zé Carlos fez o gol da vitória por 1 x 0 – mesmo placar do jogo de ida, em Fortaleza – e, nos pênaltis, André Bahia deu a vaga ao Rubro-negro. O próximo adversário é o Remo.

O jogo começou nervoso, com os dois times errando muitos passes no meio-campo. O Ceará abusava das faltas e, com menos de dez minutos, dois jogadores já haviam sido punidos com o cartão amarelo. Aos poucos, o Flamengo foi se encontrando em campo e, aos 11 min, ameaçou pela primeira vez com Zé Carlos, que acertou o travessão num forte chute, cara a cara com o goleiro adversário. A bola ainda quicou em cima da linha e voltou para as mãos de Magrão.

Dois minutos depois, Felipe lançou Athirson, que cruzou para a área. Jean se antecipou a Magrão e ao zagueiro Alan, mas o toque saiu fraco, pela linha de fundo. Acuado, o time cearense segurava o empate graças às defesas de Magrão e à má pontaria de alguns rubro-negros, como Fábio Baiano e Zé Carlos. O atacante Reginaldo ainda deu algum trabalho à zaga do Flamengo, mas seus companheiros não o acompanhavam nas jogadas.

Aos 41 min, Athirson sofreu falta na intermediária. Ele mesmo cobrou com violência, por cima do gol de Magrão, que fez “golpe de vista” e assistiu a bola passar rente ao travessão. No final, o Rubro-negro quase abriu o placar: Zé Carlos roubou a bola de um adversário e, da entrada da área, chutou à direita do gol do Ceará.

Diante da necessidade de vencer por pelo menos dois gols de diferença, o técnico Nelsinho Baptista voltou com o atacante Fernando Baiano, que fora barrado por Jean, no lugar do volante André Gomes.

A tentativa de tornar o time mais ofensivo, porém, não surtiu efeito. Com Felipe – principal articulador de jogadas na equipe rubro-negra – mais recuado, o Flamengo só foi ameaçar o Ceará aos 16 min, num chute de Fernando Baiano de fora da área, facilmente defendido por Magrão. Três minutos depois, o mesmo Baiano recebeu na área, girou e chutou com perigo, à direita do gol de Magrão. Não acreditando no gol desperdiçado, Nelsinho Baptista baixou a cabeça e deu as costas para o campo.

O Rubro-negro continuava pressionando e acabou recompensado pela insistência aos 23 min, quando Athirson tocou para Andrezinho fazer o “pivô” e deixar Zé Carlos em condições de marcar. O chute saiu forte e rasteiro, sem chances para Magrão.

O gol não alterou o panorama da partida. Pelo contrário, o time cearense se retraiu ainda mais e o Flamengo praticamente não criou lances para marcar o segundo gol, que evitaria a decisão na cobrança de pênaltis. Já nos descontos Januário assustou Júlio César em cobrança de falta e, no contra-ataque, Zé Carlos desperdiçou mais uma chance.

Aos 49 min, Fábio Baiano foi derrubado na direita, próximo à área. Mas o jogador, aos invés de cruzar para a área, preferiu tocar para Felipe, posicionado um pouco mais atrás. Foi a senha para o bom árbitro Cléber Wellington Abade encerrar o jogo.

Na cobrança de cinco pênaltis para cada lado, João Marcelo e Santana erraram e Garrinchinha, Thiago e Januário converteram para o Ceará. Pelo Flamengo, Fernando Baiano, Fernando e Felipe marcaram, enquanto Athirson e Fábio Baiano erraram o alvo. Nas cobranças alternadas, Fábio Júnior chutou para fora e André Bahia deu a classificação ao Rubro-negro.

FLAMENGO 1 (4) x (3) 0 CEARÁ

Flamengo
Júlio César, Fábio Baiano, André Bahia, Fernando e Athirson; Fabinho, André Gomes (Fernando Baiano), Andrezinho (Cássio) e Felipe; Zé Carlos e Jean
Técnico: Nelsinho Baptista

Ceará
Magrão, Garrinchinha, Alan, Sidney e Souza (Thiago); Januário, Roberto, João Marcelo e Dorgival; Fábio Júnior e Reginaldo (Santana)
Técnico: Celso Teixeira

Data: 2/4/2003 (quarta-feira)
Local: estádio Maracanã
Público: 6.826 presentes
Renda: R$ 68.681,00
Juiz: Cléber Wellington Abade (SP)
Cartões am