Fiscais vão combater a Sars em bairro de Pequim

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 7 de maio de 2003 as 08:41, por: cdb

O governo da China determinou que 30 mil fiscais passem a atuar no bairro de Pequim mais atingido pelo surto de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars, na sigla em inglês).

Os fiscais vão trabalhar no bairro de Haidan buscando por vítimas em lojas e residências e assegurando que medidas de higiene estão sendo tomadas para evitar a propagação da doença.

Cada uma das casas em Haidan, onde vivem cerca de 2,2 milhões de pessoas, recebeu um termômetro e uma lista de números de telefone de emergência para onde devem ligar se alguém desenvolver os sintomas da Sars.

Escritórios e lojas também receberam a ordem de instalar sistemas de monitoramento de temperatura.

Novo estudo

As medidas foram tomadas um dia depois da diretora da Organização Mundial da Saúde (OMS), Gro Harlem Brundtland, ter dito ainda não se pode dizer que o número de infectados no país já atingiu seu ápice.

– Ainda não chegamos ao limite na China. Nós ainda temos um surto considerável em Hong Kong – disse Brundtland.

Um novo estudo sobre a doença, baseado na análise de 1.425 casos, indicou que a taxa de mortalidade entre os portadores da doença é muito maior do que se estimava.

A OMS inicialmente acreditava que apenas 5% das pessoas com Sars morriam da doença. Mas o novo levantamento, feito em Hong Kong, indica que uma em cada cinco pessoas, ou 20% dos doentes, morre em decorrência da pneumonia atípica.

Em Cingapura, um representante do governo disse que serão necessários mais dez dias para se saber se a doença está sob controle no país.

Cingapura é o segundo país com maior número de mortes em decorrência da síndrome – 25, atrás de China e Hong Kong, que juntos têm 407.

– Se nos próximos dez dias não houver novos casos da doença – ou seja, durante dois períodos de incubação – poderemos falar que a epidemia em Cingapura está sob controle -, disse Chew Suok Kai, diretor de epidemiologia e controle de doenças do Ministério da Saúd.