Fique por dentro da Stock Car

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 22 de maio de 2003 as 23:39, por: cdb

O Rio de Janeiro vai sediar neste fim de semana, no Autódromo de Jacarepaguá, a quarta etapa do Campeonato Brasileiro de Stock Car. E para você ficar ainda mais por dentro de uma das categorias mais importantes do automobilismo nacional, conheça a história, os maiores pilotos e o regulamento da competição.

Há 24 anos atrás surgia no Brasil a Stock Car, corrida de automóveis na categoria Turismo. A criação do campeonato foi uma vitória para os apaixonados por carros de competição unindo desempenho e sofisticação. A primeira prova aconteceu no dia 22 de abril de 1979 no Autódromo de Tarumã, Rio Grande do Sul. Os carros eram Opalas seis cilindros. A etapa, que contou com 19 pilotos, foi vencida por Affonso Giaffone Júnior, que seria campeão da categoria dois anos mais tarde.

Ingo Hoffmann, de 50 anos, é o recordista de títulos na Stock Car. O piloto paulista foi campeão 12 vezes, sendo um bicampeonato (1989 e 1990), um tricampeonato (1996, 1997 e 1998) e um tetracampeonato (1991, 1992, 1993 e 1994). O paranaense Ângelo Giombelli e o paulista Paulo Gomes dividem o posto de segundo maior vencedor do Campeonato Brasileiro da categoria com quatro títulos cada um.

Em 1994, o Opala foi substituído pelo Ômega, que permitiu que todos os recordes nas pistas fossem quebrados, sendo considerado um fenômeno. Atualmente os pilotos correm com uma máquina ainda mais potente: o Vectra V-8, com 5.700 cilindradas e espetaculares 450 cavalos, atingindo 247 km/h. Para se ter uma idéia, um carro popular tem 65 cavalos e chega aos modestos 160 km/h, ou seja, a potência de um carro da Stock Car é quase sete vezes maior do que o carro de passeio mais vendido no país.

A carroceria é construída de fibra de vidro e imita o design do Vectra, da GM. O pára-brisa é feito com o mesmo acrílico usado nas cabines dos aviões comerciais. Quando a corrida é sob chuva, ele é substituído por um modelo de vidro laminado, que aumenta a eficiência do limpador.

Neste ano, a competição teve mais uma inovação: pneus italianos da Pirelli. Os novos pneus têm uma maior durabilidade e aderência, o que permite voltas mais rápidas. De acordo com o piloto Guto Negrão, de 44 anos, a novidade foi aprovada.

– Peguei o jogo de pneus com 80 voltas e ainda assim consegui baixar o tempo em cerca de três segundos. Tudo é melhor nesse pneu, o apoio na curva, a tração, a durabilidade, a resistência etc.

O Campeonato Brasileiro de Stock Car conta com 23 pilotos, que disputam as 12 etapas pelos autódromos de oito cidades do Brasil: Curitiba, Campo Grande, São Paulo, Rio de Janeiro, Londrina, Belo Horizonte, Brasília e Guaporé ou Tarumã (ainda não definido). Os 15 primeiros colocados pontuam, sendo que o primeiro, segundo, terceiro, quarto e quinto marcam 25, 20, 16, 14 e 12 pontos, respectivamente. A pontuação vai diminuindo de um em um do sexto, que recebe 10 pontos, ao 15° lugar, que fica com um ponto.

Stock Car Light

Em 1993, foi criada a Stock Car Light com o objetivo de facilitar o acesso aos estreantes na Stock Car. Alguns pilotos passaram pela categoria, entre eles: Cacá Bueno, Thiago Marques, Carlos Col (hoje organizador e promotor do Campeonato Brasileiro de Stock Car) e Mateus Greipel. Nesta temporada, a categoria foi reformulada com a troca dos Ômega pelos mais modernos Astra.