Filho de Saddam Hussein teria retirado US$1 bilhão de BC iraquiano

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 6 de maio de 2003 as 11:55, por: cdb

O segundo filho de Saddam Hussein, Qusay, e um assessor próximo do presidente derrubado, Abid al-Hamid Mahmood, levaram quase um bilhão de dólares do banco central do Iraque horas antes do início da guerra liderada pelos Estados Unidos, afirmou o jornal The New York Times, em seu site na Internet.

O volume de dinheiro era tão grande – 900 milhões de dólares em moeda norte-americana e o restante em euros – que foram necessários três traileres para transportá-lo, de acordo com o jornal, que citou uma fonte iraquiana não identificada.

A suposta retirada teria sido ordenada pelo próprio Saddam. Qusay e Mahmood portavam uma carta do presidente autorizando o saque, segundo o jornal.

– Quando você recebe uma ordem de Saddam Hussein, você não discute – declarou ao Times a fonte iraquiana, que ocupava um cargo importante em um banco e foi informada sobre a retirada por aqueles que entregaram o dinheiro a Qusay e ao assessor.

Segundo o New York Times, a quantia corresponde a um quarto das reservas em espécie do banco central.

Autoridades norte-americanas entrevistadas pelo Times declararam suspeitar que o dinheiro tenha sido transferido para a Síria. O saque foi efetuado às 4h (hora local) de 18 de março.

O coronel Ted Seel, das Forças Especiais do Exército dos Estados Unidos, disse ao jornal estar ciente da retirada.

O oficial afirmou haver informação de inteligência da época sugerindo a viagem de uma caravana de traileres do Iraque para a Síria.

No entanto, o jornal citou uma autoridade do Departamento do Tesouro norte-americano, George Mullinax, dizendo ser possível que grande parte do dinheiro tenha sido recuperada.

Mullinax afirmou que cerca de 650 milhões de dólares, em notas de 100 dólares, encontrados por um sargento norte-americano em um dos palácios de Saddam, poderiam ser os do banco central, mas isso ainda não foi confirmado.

Saddam e seus dois filhos não são vistos em público desde o início da guerra. Vídeos do ex-presidente foram exibidos pela televisão iraquiana durante o conflito, mas não se sabe quando foram gravados.