Fifa: Luís Figo duvida que África votará em Blatter para presidente

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 8 de abril de 2015 as 10:51, por: cdb

O candidato a presidência da Fifa Luís Figo questionou nesta quarta-feira a afirmação da Confederação Africana de Futebol (CAF) de que seus 54 membros votarão em Joseph Blatter, atual presidente do órgão, nas eleições do próximo mês.

 

candidato a presidência da Fifa Luís Figo
candidato a presidência da Fifa Luís Figo

 

O ex-jogador da seleção portuguesa, que está no Egito para participar de um Congresso da CAF, disse à agência inglesa de notícias Reuters que não acredita que Blatter terá um resultado absoluto na África.

Blatter buscará a reeleição em 29 de maio, concorrendo contra Figo, o príncipe da Jordânia Ali bin Al Hussein e o presidente da Federação Holandesa de Futebol, Michael van Praag.

– Sinto que existe muito respeito pela CAF em todas as federações africanas, mas estou positivo que (o presidente da CAF), o senhor (Issa) Hayatou, não fala em nome de 54 membros – disse o ex-meia do Barcelona e Real Madrid.

– Mesmo quando ele (Hayatou) anunciou que iria apoiar Blatter, percebemos uma diferença em relação a congressos anteriores, quando uma declaração como essa era normalmente seguida por uma ovação em pé – completou. “Nesta ocasião, só escutamos um aplauso normal, o que confirma minha ideia de que muitos países africanos entendem e estão de acordo com a necessidade de mudança para o bem de todos, especialmente as associações nacionais”, disse.

Figo disse que alguns presidentes de federações garantiram que vão votar nele, mas estavam relutantes em dizer publicamente pelo medo de reações contra eles, suas federações e até seus países.

Quando Blatter chegou ao poder em 1998, Hayatou prometeu o voto africano para seu rival, o sueco Lennart Johansson, mas diversos países o desafiaram e votaram em Blatter.

Em outra ocasião, quando Hayatou se pronunciou contra Blatter em 2002, cerca da metade dos países africanos votaram no suíço, no lugar do presidente de sua própria confederação.