Fiesp premia indústrias que reduzem o consumo e o desperdício de água

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 22 de março de 2011 as 05:01, por: cdb
Itaipu
Redução do consumo e do desperdício de água

A  Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) vai premiar empresas paulistas que tenham projetos para redução do consumo e do desperdício de água e que gerem benefícios ambientais. Os premiados serão anunciados após o seminário Ganhos Econômicos e Ambientais com Reuso de Água, que ocorre na sede da entidade.  Esta é a sexta edição do Prêmio Fiesp de Conservação e Reuso da Água

O diretor do Departamento de Meio Ambiente da Fiesp, Nélson Pereira dos Reis, explica que a indústria gasta mais água porque tem que fazer investimentos em captação, na construção de tanques e no tratamento da água. – Há processos que exigem mineralização total, disse à Agência Brasil ao lembrar que, apesar de o país ter o maior potencial hídrico do mundo, a água nem sempre está no lugar e na qualidade que se precisa.

Reis lembra ainda que a água, para a indústria, é um insumo quase universal. Além da composição de produtos como bebidas, alimentos e cosméticos, a água é usada na lavagem de tecidos, limpeza e purificação de minérios extraídos e ainda na refrigeração dos processos produtivos. Ele estima que mais de 70% das indústrias têm experiências de reaproveitamento de água.

A Agência Nacional de Águas (ANA) não confirma o projeção. – O Brasil é carente de estatísticas confiáveis sobre o reuso de água na indústria, disse o especialista em recursos hídricos da ANA, Claudio Itaborahy.

O técnico, no entanto, tem conhecimento de algumas experiências promissoras. Segundo ele, a indústria sucroalcooleira diminuiu a necessidade de captação de água. Em 1997, por exemplo, eram captados aproximadamente 5 metros cúbicos por segundo de água para o processamento de cada tonelada de cana, número que baixou para 2 metros cúbicos por segundo em 2004 e a meta é chegar a 1 metro cúbico por segundo. – O bom resultado foi obtido porque o reuso da água foi significativamente ampliado e os efluentes resíduos líquidos porventura não utilizados vão para a fertirrigação [adubação por irrigação] dos campos com cana, relatou.

De acordo com Itaborahy, outros bons exemplos são a racionalização do uso da água pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), que reduziu em 40% a captação no Rio Paraíba do Sul, no estado do Rio de Janeiro; a Fábrica da Volkswagen, em Taubaté (SP), que economiza cerca de R$ 250 mil por mês ao reutilizar 70% dos 100 mil metros cúbicos de água utilizados a cada 30 dias; e a fabrica de cerveja da AmBev, no Distrito Federal, que gasta, em média, 1 litro a menos de água que as outras fábricas da própria companhia para a mesma quantidade de cerveja.